Fundos de Warren Buffett atrelados ao S&P 500 têm boa rentabilidade: técnica funciona bem nos EUA. | Mike Segar/Reuters
Fundos de Warren Buffett atrelados ao S&P 500 têm boa rentabilidade: técnica funciona bem nos EUA.| Foto: Mike Segar/Reuters

A presença de um gestor especializado para alocar recursos em fundos de investimentos transmite segurança e cria perspectiva de bons ganhos, mas nem sempre se mostra vantajosa. O sucesso de estrategistas como o americano Warren Buffett, que tem aplicações inspiradas em índices, reaviva uma polêmica clássica no meio: vale a pena pagar pela administração dinâmica de fundos?

No mercado e no ambiente acadêmico há correntes opostas, que buscam comprovar a prevalência de uma ou outra modalidade. Na gestão ativa, que é majoritária no Brasil, um profissional se dedica a acompanhar o mercado e definir os canais de aporte, com vistas a bater determinada referência (benchmark), como o Ibovespa. Já na coordenação passiva (ou indexada), replica-se a configuração do índice escolhido, sem modificações de conveniência.

ETF se destaca entre os fundos passivos

Entre os fundos passivos que se destacam estão os EFTs (sigla em inglês para Exchange Traded Funds), que representam fundos de ações cujas cotas são negociadas na Bolsa brasileira. Há 23 produtos do gênero listados junto à Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima).

O balanço de março mostra que, neste ano, 20 fundos têm rentabilidade acumulada positiva, com valores que variam de 0,15% a 20,09% (caso de um fundo do Citibank vinculado ao S&P 500). Na média, o ganho desde janeiro é de 3,54%.

Já as taxas cobradas vão de 0,05% a 1,56% – a média fica em 0,79%. O produto é vendido por corretoras de valores e pode partir de um investimento de cerca de R$ 200, conforme o caso. (RC)

Buffett mostrou, recentemente, que seus fundos atrelados ao S&P 500 (índice americano formado por ações de 500 empresas) superam modalidades mais sofisticadas, caras e geridas ativamente, como determinados hedge funds, segundo reportagem do jornal Financial Times.

O analista de investimentos André Rocha explica que os Estados Unidos têm mais volume e diversidade de índices, o que facilita o uso de técnicas como as de Buffett. “Os nossos índices, como o Ibovespa, são muito concentrados em estatais e empresas de commodities”, diz.

A discussão é antiga e se alavanca na alternância de resultados entre as modalidades de fundo. “Nos períodos estáveis, a gestão ativa tem mais chances de dar resultados. Mas, em momentos de mudanças abruptas, esses fundos estão mais sujeitos a perdas”, explica o consultor de investimentos e professor universitário Gilberto de Oliveira Kloeckner.

Retorno e taxas

A decisão do modelo ideal deve partir, na recomendação de analistas, de uma avaliação do perfil do administrador, cujos objetivos devem se alinhar aos do investidor. Os fundos estabelecem limites para a atuação do profissional, como porcentuais máximos destinados a cada ativo, mas caberá ao gestor tomar decisões estratégicas. “Faltam, no Brasil, fundos mais transparentes, que explicam suas estratégias. Nos bancos, tirando os clientes de alta renda, quase ninguém tem acesso ao gestor. O relacionamento é muito distante”, critica Rocha.

Também é importante olhar retrospectivamente sobre o fundo desejado, avaliando o grau de rentabilidade. “Muita gente olha para o desempenho de curto prazo do fundo, que pode ter ido muito bem em períodos curtos, e acaba se arriscando. É preciso olhar em longo prazo”, orienta o economista Fábio Silva, membro do Conselho Federal de Economia (Cofecon).

Um fator decisivo, que pode tornar desvantajosa a escolha por um fundo administrado, é a cobrança de taxas. As principais são a de administração – que também existe, embora geralmente é menor, nos fundos passivos – e a de performance, em que parte da rentabilidade superior ao índice de referência é destinada ao analista. “Se der resultado, o gestor sempre ganha. Mas, quando há perdas, o passivo é socializado, dividido entre todos os cotistas”, aponta o economista Eduardo Reis Araújo, que é presidente do Conselho Regional de Economia do Espírito Santo (Corecon-ES).

Incidência de taxas compromete ganhos, diz estudo

Diversos estudos testam a eficiência da gestão ativa na rentabilidade de fundos de investimentos. Os pesquisadores Daniel Kendi Kanai e Ricardo Dias Brito, do Insper, publicaram no ano passado um trabalho que, na análise de fundos de ação ofertados no mercado entre 2000 e 2013, conclui que os ganhos são anulados pela incidência de taxas.

Kanai e Brito analisaram o desempenho de mais de 700 fundos, entre ativos e passivos. Enquanto os primeiros apresentaram taxa média de administração de 1,71%, os segundos tiveram um índice de 1,20%. Assim, os ganhos de rentabilidade não constituíram lucro ao investidor. “O estudo indica que o melhor é investir em um fundo passivo, com retorno próximo ao do mercado, mas com custos mais baixos”, diz Brito, que coordena o mestrado profissional em Economia da instituição.

A despeito do equilíbrio de desempenho entre os dois tipos de fundos, o estudo aponta, com base em dados de 2013 da consultoria Economática, que os produtos com gestão ativa estão em expansão e já respondem por 95% do mercado. O porcentual cresce gradativamente desde 2000 e se acelerou na última década.

Para Brito, isso se explica por uma combinação entre falta de informação dos investidores e oferta volumosa desses fundos por bancos de varejo. “As taxas de administração dos fundos passivos brasileiros não são tão mais baixas. Para que isso seja possível, os fundos precisam ser grandes e ter economia de escala.”

O pesquisador acredita que, à medida que os fundos passivos se tornem mais conhecidos e populares, o cenário tende a se modificar. (RC)

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]