i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Prazo

FMI dá 6 meses para Argentina "mudar" índice de inflação

Economistas acusam o governo de manipular os dados da inflação, o que o governo nega

  • PorAgência Estado
  • 01/02/2012 18:18

O FMI deu ao governo da Argentina um prazo de seis meses para que tome medidas concretas para melhorar seus dados de inflação. Em comunicado, o Conselho Executivo do Fundo diz que "lamenta a ausência de progressos" nessa área, tendo em vista que o governo argentino já havia prometido fazer mudanças no Instituto Nacional de Estatística e Censo (Indec).

"A diretora-gerente vai relatar ao Conselho Executivo, até 6 de setembro de 2012, sobre o status da implementação das medidas citadas pela Argentina", diz o comunicado.

Economistas questionam a veracidade dos dados do Indec pelo menos desde o começo de 2007, quando o então presidente da Argentina, Nestor Kirchner, substituiu parte do pessoal técnico do órgão por pessoas indicadas politicamente. Os economistas acusam o governo de manipular os dados da inflação, o que o governo nega.

Os críticos do governo observam que os índices de preços ao consumidor provinciais colocam a inflação consistentemente acima dos 20% anuais, e argumentam que elevações de salários apoiadas pelo governo, de 20% a 30% anuais nos anos recentes, equivalem a um reconhecimento implícito de que a inflação é mais alta do que os dados do Indec sugerem.

Segundo o Indec, os preços ao consumidor subiram menos de 10% em 2011. No ano passado, o governo da presidente Cristina Kirchner chegou a reprimir institutos de pesquisas privados que publicavam suas próprias estimativas de inflação; foi estabelecida uma multa de 500 mil pesos (US$ 125 mil) a quem divulgasse índices de preços e alguns economistas foram ameaçados com processos criminais.

Para proteger os economistas, um grupo de parlamentares (que desfrutam de imunidade) passou a publicar um índice alternativo de inflação, submetido por economistas e institutos do setor privado que preferem ficar anônimos. Esse índice subiu 23% no último ano. As informações são da Dow Jones.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.