i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Economia

Freakonomics: Como tomar uma decisão ruim

A “falácia do apostador” explica muitos erros cometidos na hora de avaliar uma probabilidade

  • PorStephen J. Dubner e Steven D. Levitt
  • The New York Times
  • 09/12/2016 14:26
 | Bigstock/Gazeta do Povo
| Foto: Bigstock/Gazeta do Povo

Imagine que eu jogue uma moeda e tire cara. Jogo outro vez – cara de novo. Mais uma vez. Cara outra vez. Se eu fosse jogar a moeda outra vez, qual seria a sua previsão? Muita gente diria coroa, definitivamente coroa – ainda que saibamos que o evento é aleatório e que cada resultado é independente do anterior, o que significa que a probabilidade é sempre de 50%. Contudo, a maioria das pessoas tem dificuldade de lidar com esse conceito; estamos convencidos de que eventos aleatórios anteriores afetam o resultado de eventos aleatórios futuros.

Esse fenômeno é conhecido como “falácia do apostador”. O nome se refere a um erro muito comum entre apostadores de primeira viagem: o de que, como uma máquina caça-níqueis não paga há algum tempo, ela está prestes a liberar um prêmio. Experimentos mostram que nossas mentes, ávidas por encontrar padrões no mundo, frequentemente são vítimas da falácia do jogador, que nos leva a tomar decisões ruins – como enfiar um monte de dinheiro em máquinas caça-níqueis.

Uma pesquisa recente realizada pelo economista de Yale, Toby Moskowitz, revela que a suscetibilidade das pessoas à falácia do apostador não se restringe ao cara-ou-coroa; o risco é parecido em processos de decisão por trás de todo o tipo de situações em que há muito em jogo: ainda que de forma inconsciente, as pessoas permitem que decisões passadas afetem as decisões futuras.

Um bom exemplo são os juízes de beisebol. O artigo “Decision-Making Under the Gambler’s Fallacy” (Tomada de decisões e a falácia do apostador), publicado recentemente por Moskowitz, em colaboração com Daniel Chen e Kelly Shue, analisou dados de mais de 12 mil jogos de beisebol, incluindo 1,5 milhão de vezes em que o rebatedor não tentou acertar a bola, deixando a decisão sobre a jogada pra o juiz. A pesquisa envolveu 127 juízes. Concentrando-se em jogadas idênticas e difíceis de decidir em favor do rebatedor ou do arremessador, Moskowitz revelou que uma jogada antecedida por um “strike” tinha 3,5% menos chances de ser considerada “strike” e que esse número se tornava ainda maior caso a jogada em questão fosse precedida por dois “strikes”.

Além disso, como os agentes de crédito – os caras que decidem se os bancos devem nos emprestar dinheiro – tomam decisões? Utilizando dados de um estudo realizado por Shawn Cole envolvendo funcionários de um banco indiano, Moskowitz e seus parceiros de pesquisa demonstraram que, excluindo todos os outros fatores, a ordem pela qual diferentes agentes de crédito revisavam o mesmo grupo de pedidos de empréstimo influenciava sua decisão. Por exemplo, um agente que revisasse três pedidos positivos em seguida teria muito mais chances de negar o quarto da fila.

Mesmo que você nunca tenha visto um jogo de beisebol, ou feito um pedido de empréstimo na Índia, provavelmente se importa com a maneira pela qual os EUA operam seus tribunais de imigração, ou como decide dar asilo a estrangeiros (especialmente quando o presidente Donald Trump assumir o poder). De acordo com Moskowitz, a decisão de um tribunal “pode significar a diferença entre a vida e a morte, entre a liberdade e o aprisionamento de alguém”.

Contudo, nem mesmo os juízes federais estão imunes à falácia do apostador. A equipe de pesquisa de Moskowitz observou 150 mil decisões de pedidos de asilo tomadas por mais de 350 juízes entre 1985 e 2013. Moskowitz foi capaz de demonstrar que juízes que aprovassem um pedido de asilo tinham uma chance quase 1% menor de aprovar o próximo, e esse valor aumentava para quase 3%, caso a segunda decisão fosse tomada no mesmo dia. Mas a coisa fica pior: se um juiz analisasse três pedidos de asilo no mesmo dia e aprovasse os dois primeiros, ele teria quase 5% menos chances de aprovar o terceiro.

Nesse caso, será que não seria melhor colocar robôs para tomar mais decisões simples no dia a dia? Naturalmente, sendo como é, a natureza humana – e o fato de que quase todos nos levamos em altíssima conta quando julgamos nossa própria capacidade de decidir –, é improvável que esse tipo de automação ocorra no futuro próximo. Afinal, a tomada de decisão é uma parte importante daquilo que nos torna humanos.

(Stephen J. Dubner é coautor, com Steven D. Levitt, de ‘Freakonomics: O Lado Oculto e Inesperado de Tudo Que Nos Afeta’ e ‘Super Freakonomics: Resfriamento Global, Prostitutas Patriotas e Por que os Homens-Bomba Deveriam Fazer Seguro de Vida’.)

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.