i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Aplicações

Fundos e poupança lideram ganhos no mês

  • PorFolhapress
  • 30/06/2009 21:14
Veja o ranking de rentabilidade |
Veja o ranking de rentabilidade| Foto:

São Paulo - O investidor viu em junho o estreitamento da diferença entre a rentabilidade dos fundos DI e de renda fixa (que rendem juros) e a poupança. Com a redução da taxa básica da economia, a Selic, para 9,25% ao ano, os juros oferecidos pelos fundos encolheram mais um pouco, fortalecendo a concorrente caderneta de poupança.

No mês que se encerrou, os fundos DI, que são os que acompanham mais de perto a oscilação da taxa básica Selic, tiveram rendimento bruto (sem descontar a taxa de administração e o Imposto de Renda) de 0,77%. A poupança rendeu 0,57%. Em janeiro, o DI havia pago 1,06%, enquanto a caderneta rendera 0,69%. Ou seja, a vantagem que os fundos sempre tiveram tem encolhido rapidamente.

Com a rentabilidade menor dos fundos, os custos embutidos nessas aplicações passaram a ter mais peso para os investidores. Diferentemente da poupança, quem aplica em um fundo de investimento está sujeito ao pagamento de IR (que pode variar de 15% a 22,5%, dependendo do tempo de manutenção da aplicação) e à cobrança de uma taxa de administração.

Essa taxa, presente em todos os fundos, tem oscilado normalmente entre 1% e 3% ao ano – mas há casos em que é bem mais elevada.

"Nesse nível, apenas fundos com taxa de administração entre 0,5% e 1% ao ano vão dar retorno líquido melhor que o oferecido pelo poupança", avalia o administrador de investimentos Fábio Colombo.

"O problema é que o investidor que tem volumes menores para aplicar vai ter dificuldades de encontrar um fundo que cobre uma taxa tão baixa", diz.

No geral, as aplicações que pagam juros foram a melhor opção de junho. Isso porque a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) encerrou o mês no vermelho, com desvalorização de 3,26%, e o dólar recuou 0,30%.

Concorrência

Ao menos por enquanto a tão temida fuga de recursos para a poupança ainda não ocorreu. Neste mês, até o dia 24, a poupança registrava saída líquida de recursos de R$ 269,1 milhões, segundo levantamento do Banco Central.

Para os bancos, uma migração maciça dos fundos para a poupança não interessa, pois significa, antes de mais nada, a diminuição nos ganhos com a cobrança de taxa de administração. Para o governo, um movimento desse tipo também não é animador: os fundos estão entre os grandes compradores de títulos públicos, que o governo têm de vender para financiar sua dívida.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.