i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Previsões

Gastos do governo impedem cortes maiores da taxa de juros, diz economista

  • PorO Globo/Globo Online
  • 02/03/2006 14:11

Para o economista-chefe do ABN Amro Asset Management, Hugo Penteado, a queda da inflação e a manutenção dos preços sob controle a médio e longo prazos deve permitir que o Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) reduza a taxa básica de juros (Selic) em 0,75 ponto percentual, para 16,5% ao ano. Penteado destaca que a valorização cambial tem permitido a queda da inflação, o que reduz de imediato o preços dos bens de consumo comercializáveis (produtos que possam ser exportados ou importados, como álcool e minério de ferro, por exemplo) e também o custo de importação de máquinas e equipamentos, o que aumenta investimentos e amplia a capacidade de produção do país.

O economista descarta a possibilidade de que o BC aumente o ritmo de corte na taxa de juros, especialmente por conta dos gastos do governo:

_ Sabemos que o controle inflacionário depende tanto da política monetária do Banco Central, quanto da política fiscal exercida pelo Tesouro Nacional. Nos últimos meses observamos um forte aumento dos gastos primários do governo central, que passou de 17,4% do PIB em janeiro de 2005 para 18,5% do PIB em janeiro desse ano. Esse aumento dos gastos públicos tem ocorridobasicamente por expansão dos gastos previdenciários e de custeio e capital, incluindo os gastos sociais, que tendem a gerar rápida expansão do consumo das famílias. Diante dessa política fiscal mais frouxa o Banco Central deve manter o ritmo de redução de juros inalterado, evitando um aumento excessivo do consumo e, consequentemente, descontrole inflacionário.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.