i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Tesouro

Governo faz primeira emissão de títulos em reais e capta R$ 3,4 bi

  • 20/09/2005 17:34

Brasília (das agências) – O governo federal vendeu R$ 3,4 bilhões (US$ 1,5 bilhão) em sua primeira captação com títulos de dívida externa atrelados ao real, segundo divulgou ontem, em nota oficial sobre a operação, o Tesouro Nacional. O dinheiro será utilizado para honrar a dívida do governo brasileiro no exterior. Esses recursos também ajudarão o governo a se precaver de um possível contágio na economia da crise política, iniciada em junho.

A operação é inédita porque até então o investidor estrangeiro só comprava papéis brasileiros no exterior em moedas fortes – como dólar, euro e iene. Ou seja, se não estivesse dentro do país, o investidor não assumia o risco cambial brasileiro. Quem aplicou nos papéis brasileiros na emissão realizada ontem terá uma taxa de retorno de 12,75% ao ano até 2016, data do vencimento do título. Os pagamentos de juros acontecerão nos dias 5 de janeiro e 5 de julho de cada ano.

A taxa ficou acima da média das últimas operações realizadas pelo Brasil por conta do risco cambial – para compensar as eventuais variações da moeda nos próximos anos. Para o Brasil, a emissão atrelada ao real permite o endividamento sem se associar ao risco das moedas estrangeiras, cuja administração foge a seu controle interno. Para o investidor estrangeiro, a operação também é interessante porque o dólar e o euro estão fracos no mercado internacional – e o real não.

Ineditismo

Empresas privadas, como o banco Votorantim, já haviam realizado emissão de títulos em reais, mas isso nunca foi feito pelo governo. A emissão de títulos denominados em reais não significa que os investidores estrangeiros terão de comprar reais para adquirir os papéis. No dia da liquidação da operação eles pagarão em dólares o equivalente em reais ao valor dos títulos comprados. O mesmo irá ocorrer no vencimento dos títulos – receberão em moeda estrangeira convertida pela cotação do dia.

A operação começou a ser estruturada na semana passada, quando o Tesouro decidiu que os bancos JP Morgan e Goldman Sachs iriam liderar a emissão. Além disso, o Itaú foi escolhido como "co-manager". O governo decidiu fazer essa captação agora para aproveitar o bom momento que vive no mercado internacional. O risco-país brasileiro está em torno de 370 pontos, patamar similar ao de 1997.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.