i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
GREVE DOS CAMINHONEIROS

Governo faz promessas para encerrar protestos, mas movimento continua

Estabilidade no preço do diesel, sanção de lei sem vetos e carência de um ano para pagar empréstimos estão entre as propostas

    • BRASÍLIA
    • Da Redação, com agências
    • 26/02/2015 03:00
    Barreira de caminhoneiros na BR-116, em Campina Grande do Sul: ordem judicial determinou o fim dos bloqueios em estradas da Grande Curitiba. | Fotos: Gerson Klaina/Tribuna do Paraná
    Barreira de caminhoneiros na BR-116, em Campina Grande do Sul: ordem judicial determinou o fim dos bloqueios em estradas da Grande Curitiba.| Foto: Fotos: Gerson Klaina/Tribuna do Paraná

    culpa de produtores rurais

    A paralisação de caminhoneiros que bloqueia estradas em todo o país partiu de produtores agrícolas, segundo o presidente do Movimento União Brasil Caminhoneiro, Nélio Botelho. “Essas manifestações foram organizadas por produtores rurais. Eles pediram o apoio de caminhoneiros de diversos sindicatos filiados ao Movimento União Brasil Caminhoneiro. Pela primeira vez, porém, não fomos nós que demos a orientação para parar as estradas”, afirmou. Segundo Botelho, os grandes produtores controlam uma frota de 6 a 7 mil caminhões. “Em plena colheita, eles venderam a safra por um preço ao exterior que não levou em conta a alta do diesel, que pesa nos custos”, acusou.

    culpa de produtores rurais

    A paralisação de caminhoneiros que bloqueia estradas em todo o país partiu de produtores agrícolas, segundo o presidente do Movimento União Brasil Caminhoneiro, Nélio Botelho. “Essas manifestações foram organizadas por produtores rurais. Eles pediram o apoio de caminhoneiros de diversos sindicatos filiados ao Movimento União Brasil Caminhoneiro. Pela primeira vez, porém, não fomos nós que demos a orientação para parar as estradas”, afirmou. Segundo Botelho, os grandes produtores controlam uma frota de 6 a 7 mil caminhões. “Em plena colheita, eles venderam a safra por um preço ao exterior que não levou em conta a alta do diesel, que pesa nos custos”, acusou.

    culpa de produtores rurais

    A paralisação de caminhoneiros que bloqueia estradas em todo o país partiu de produtores agrícolas, segundo o presidente do Movimento União Brasil Caminhoneiro, Nélio Botelho. “Essas manifestações foram organizadas por produtores rurais. Eles pediram o apoio de caminhoneiros de diversos sindicatos filiados ao Movimento União Brasil Caminhoneiro. Pela primeira vez, porém, não fomos nós que demos a orientação para parar as estradas”, afirmou. Segundo Botelho, os grandes produtores controlam uma frota de 6 a 7 mil caminhões. “Em plena colheita, eles venderam a safra por um preço ao exterior que não levou em conta a alta do diesel, que pesa nos custos”, acusou.

    Após um dia de negociações, o governo federal ofereceu ontem ao movimento de caminhoneiros um pacote de medidas para que eles acabem com os bloqueios nas estradas. Porém, não cedeu na principal reivindicação dos grevistas: a redução do preço do óleo diesel.

    Composto de quatro pontos principais, o pacote negociado pelo ministro Miguel Rossetto, da Secretaria-Geral da Presidência, sob a chancela da presidente Dilma Rousseff, responde a parte das reivindicações dos motoristas.

    O primeiro ponto é a sanção integral da Lei dos Caminhoneiros, que prevê uma série de benefícios para a classe. Dilma tem até o dia 13 de março para sancioná-la.

    O segundo é a suspensão, por um ano, dos pagamentos de empréstimos feitos pelo BNDES a motoristas para a aquisição de caminhões. A proposta vale para duas linhas de crédito – Finame e ProCaminhoneiro.

    O terceiro ponto é o compromisso de que empresas e caminhoneiros criarão uma tabela referencial de fretes, o que pode levar a preços mínimos dos fretes. A queda nos valores dos fretes é um dos motivos das paralisações.

    A quarta proposta é o estabelecimento de uma mesa permanente de negociações entre motoristas e representantes empresariais.

    Além disso, de acordo com Rosseto, a Petrobras informou que nos próximos seis meses não ocorrerá reajuste do preço do diesel.

    O pacote foi fechado após uma reunião tensa entre governo, empresas e trabalhadores na tarde de ontem, no Ministério dos Transportes.

    Questionado se o governo deu um prazo para os motoristas encerrarem a greve, Rossetto disse apenas que o governo quer o fim das paralisações o mais rápido possível.

    Revolta

    Segundo apurou a reportagem, parte das lideranças se recusou a encerrar a greve sem que houvesse o anúncio da redução do preço do diesel. Líder do Comando Nacional dos Transportes, o caminhoneiro Ivar Schmidt não foi autorizado a entrar na reunião com os ministros. Após o veto, recorreu a um encontro com Rossetto no Planalto. “O ministro nem pegou na minha mão”, reclamou.

    Schmidt considerou as medidas “sem peso” para debelar a greve. O caminhoneiro de Santa Catarina, radicado no Rio Grande do Norte, é um dos organizadores do movimento. Ele e outros cem líderes articulam a manutenção da greve por meio de um grupo do WhatsApp. “As medidas do governo não atendem o movimento. A paralisação continua”, disse.

    BR-116

    Ontem, os protestos entraram em seu oitavo dia com bloqueios em mais de 90 pontos de rodovias federais de 12 estados.

    À tarde, a BR-116, principal ligação de São Paulo com o Sul do país, foi bloqueada nos dois sentidos, no km 67, em Campina Grande do Sul. No início da noite, a fila de caminhões era de dez quilômetros no sentido de Curitiba e de oito quilômetros em direção a São Paulo.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    Máximo 700 caracteres [0]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.