i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Paralisação

Governo garante diesel estável por 6 meses para tentar encerrar protestos

Apesar na tentativa de negociação, nenhum acordo foi fechado com os caminhoneiros e os protestos devem continuar nas rodovias nesta quinta-feira

    • Reuters
    • 25/02/2015 21:49
    Fila de caminhões parados na  BR-116, em Curitiba: Justiça determinou desbloqueio das rodovias federais que cortam a capital. | Gerson Klaina/Tribuna do Paraná
    Fila de caminhões parados na BR-116, em Curitiba: Justiça determinou desbloqueio das rodovias federais que cortam a capital.| Foto: Gerson Klaina/Tribuna do Paraná

    O governo anunciou uma série de propostas nesta quarta-feira (25) numa tentativa de pôr fim aos protestos de caminhoneiros que bloqueiam estradas em 12 estados brasileiros, como a estabilidade dos preços do diesel por seis meses, sanção sem vetos da lei que reduz custos dos setor e carência de 12 meses para o pagamento de financiamentos de caminhões.

    Os protestos de caminhoneiros, que entraram em seu oitavo dia nesta quarta-feira, bloqueavam nesta tarde mais de 90 pontos de rodovias federais, em dez estados, prejudicando o abastecimento de diversas mercadorias, como alimentos e combustíveis, com reflexos nas exportações do país. No Paraná, eram 44 trechos interditados no começo da noite desta quarta, 23 em estradas estaduais e 21 em rodovias federais.

    “A Petrobras nos informou que não haverá reajuste do diesel nos próximos seis meses”, disse o ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência, Miguel Rossetto, a jornalistas no Palácio do Planalto, ressaltando que a manifestação da estatal foi feita com base em seus indicadores e que não teve o objetivo de compor o acordo negociado.

    Justiça determina liberação de BRs de Curitiba e Londrina e bloqueios recuam no estado

    Depois de ter 51 trechos interditados pelos caminhoneiros ao longo desta quarta-feira, as rodovias estaduais e federais têm ainda 44 pontos de bloqueio

    Leia a matéria completa

    Encontro

    Após encontro com lideranças do setor, empresários, parlamentares e governantes, o ministro listou uma série de propostas para encerrar o movimento dos caminhoneiros, incluindo a sanção integral da nova lei do caminhoneiro e a carência de 12 meses para pagamento dos financiamentos de caminhões para novos e antigos contratos. A efetivação das medidas está condicionada ao fim dos protestos nas estradas.

    Governo sinaliza negociação, mas paralisações devem continuar

    Sem acordo, governo aceita negociar apenas dois pontos da pauta de reivindicações dos caminhoneiros. Apesar de terem perdido força, paralisações devem continuar

    Leia a matéria completa

    A lei dos caminhoneiros estabelece, por exemplo, entre outras coisas, que veículos de transporte de carga que circularem vazios não pagarão tarifa de pedágio sobre os eixos que se mantiverem suspensos.

    Como forma de contemplar uma das principais reivindicações do setor, o ministro disse que caminhoneiros e empresários do transporte vão discutir melhores condições para o pagamento do frete. “Ficou acordado que os empresários e os caminhoneiros e seus representantes irão estabelecer uma tabela referencial de frete, uma tabela construída entre empresários e caminhoneiros”, disse Rossetto. Representantes de caminhoneiros não comentaram imediatamente as propostas do governo, mas indicaram que querem uma revisão do preço do frete.

    Bloqueios

    De acordo com o último boletim da Polícia Rodoviária Federal (PRF), do meio da tarde, as interdições eram registradas em rodovias federais dos estados de Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Tocantins, Paraná, Bahia, Espírito Santo, Ceará, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. O estado com mais interdições em estradas federais é o Rio Grande do Sul, com 30 bloqueios, seguido por Santa Catarina (21), Paraná (21), e Mato Grosso (10).

    Impactos

    Muitos setores estão sentindo fortemente os efeitos dos protestos, sendo que a agropecuária está entre os mais atingidos. A indústria de soja, que lidera as exportações agropecuárias brasileiras e é fornecedora chave para a cadeia de alimentos doméstica, vê um agravamento dos gargalos da infraestrutura do país, enquanto indústrias de carnes, como a JBS e a BRF, já estão paralisando algumas unidades.

    “A BRF informa que várias de suas unidades produtivas, especialmente na região Sul, foram afetadas pelos bloqueios das rodovias brasileiras. Em muitas delas, a operação será parcial na quinta-feira (26) porque não há como escoar os produtos prontos e, consequentemente, liberar a entrada de matéria-prima para a produção de novos”, disse a companhia, maior produtora de carne de aves e suínos do Brasil, em nota no início da noite. 

    Os protestos afetam ainda a colheita de soja por falta de diesel para o maquinário em alguns pontos de Mato Grosso, maior estado produtor do grão.

    “É uma situação extremamente preocupante, o risco de perda de boa parte da safra é significativo”, disse o presidente da associação de produtores de Matro Grosso (Aprosoja), Ricardo Tomczyk.

    O recebimento de soja pelas indústrias processadoras, assim como a chegada do grão e derivados nos portos de exportação e nas indústrias de ração, também está sendo afetado.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    Máximo 700 caracteres [0]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.