i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
PROTESTOS

Governo sinaliza negociação, mas paralisações devem continuar

Sem acordo, governo aceita negociar apenas dois pontos da pauta de reivindicações dos caminhoneiros. Apesar de terem perdido força, paralisações devem continuar

  • PorTalita Boros Voitch
  • 25/02/2015 18:26

A reunião entre representantes dos caminhoneiros e o governo federal, na tarde desta quarta-feira (25), terminou com uma sinalização do governo em negociar apenas dois pontos da pauta de reivindicações do movimento: a aprovação da presidente Dilma Rousseff das alterações na “Lei dos Caminhoneiros” e a prorrogação do programa de financiamento Pró-Caminhoneiro do BNDES.

O presidente da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), Edson Campagnolo, que participou do encontro, disse que o secretário geral da Presidência da República, Miguel Rossetto, sinalizou que o governo vai negociar. Apesar disso, não houve um acordo definitivo e as paralisações devem continuar, mesmo tendo perdido fôlego, depois que a Justiça Federal determinou a liberação das rodovias federais em diversos estados, incluindo o Paraná.

Segundo Campagnolo, as demais bandeiras do movimento – como a diminuição do valor do diesel, a criação de tabela única nacional de preços do frete, entre outras – não foram negociadas.

Participaram também da reunião a ministra da Agricultura, Kátia Abreu e o ministro dos Transportes, Antônio Carlos Rodrigues.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.