i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Tecnologia

Guarde a carteira, saque o celular

Novas tecnologias, como a adotada no iPhone 6, permitem que smartphone substitua cartão de plástico e cédulas na hora do pagamento

  • PorRafael Waltrick
  • 10/10/2014 21:18
Tim Cook, CEO da Apple, apresenta o Apple Pay durante lançamento do novo iPhone: pagamento com apenas um toque no celular | Stephen Lam / Reuters
Tim Cook, CEO da Apple, apresenta o Apple Pay durante lançamento do novo iPhone: pagamento com apenas um toque no celular| Foto: Stephen Lam / Reuters

Entrevista

"A NFC vai demorar tempo para se tornar comum"

Ed Wilson Tavares Ferreira, professor do Centro Federal de Educação Tecnológica de Mato Grosso

Especialista em sistemas de telecomunicações e membro do Institute of Electrical and Electronic Engineers (IEEE), organização internacional dedicada ao avanço da tecnologia para fins sociais, o professor Ed Wilson Tavares Ferreira aposta que a transformação do celular em meio de pagamento é inevitável, mas ainda vai demorar para bater de frente com outras opções populares, como o cartão de crédito.

O grande sucesso do iPhone 6 pode fazer com que os pagamentos pelos celulares enfim passem a ser usados em larga escala?

A proposta da Apple não é a emissão de novos cartões, mas apenas em utilizar os já existentes, porém, sem a necessidade de uso do cartão físico (aquele de plástico). Os dados do cartão do usuário serão trocados com o fornecedor através do próprio celular. Este sistema já existe em outras plataformas. É certo que ocorrerá aumento de uso destes sistemas, porém não deverá ocorrer adoção em larga escala neste momento inicial.

Celulares com funções como a Near Field Communication (NFC) serão cada vez mais comuns no mercado?

A NFC não é novidade, mas como costuma acontecer com diversas tecnologias, deverá demorar algum tempo para se tornar comum. A NFC é utilizada em outros campos, em alguns sistemas de transporte coletivo, por exemplo, mas é bastante empregada também para controle de acesso, em catracas e portões. Com a disponibilização da NFC em celulares espera-se que ocorra a adoção por parte das empresas de comércio e dos usuários e, assim, seja impulsionada a inclusão desta tecnologia em mais aparelhos.

A ainda escassa opção desta tecnologia nos pontos de venda, pelo menos no Brasil, não é um empecilho?

Os custos com o pagamento através de cartões de créditos pagos pelos empresários de pontos de venda não é baixo. Em grande parte dos casos, ocorre a cobrança de aluguel e porcentual sobre cada venda. A implementação da NFC também gerará mais custos. Mas o sucesso de um aparelho como o iPhone cria demanda, que certamente contribuirá para a popularização desta tecnologia. Assim, as operadoras de cartões e o empresariado certamente aproveitarão este novo mercado.

O lançamento do iPhone 6, no mês passado, foi cercado de comentários da mídia e dos usuários sobre as telas maiores, a possibilidade dos aparelhos entortarem e as novas funcionalidades (e bugs) do iOS 8. Por outro lado, apesar de descrita por alguns como "revolucionária", uma nova função presente no smartphone da Apple ainda é pouco comentada: a tecnologia de pagamentos NFC, usada para transações a curta distância. Já adotado em celulares de outras marcas, o sistema chega para servir como alternativa aos cartões de plástico e às cédulas, embora ainda precise vencer a desconfiança – e, pior, o desconhecimento – de usuários e varejistas.

A tecnologia NFC, sigla em inglês para Near Field Communication (comunicação por campo de curta distância), permite a troca de dados entre dois dispositivos apenas pela aproximação física, sem a necessidade de cabos ou rede wireless - ambos os aparelhos precisam ter um chip NFC. Apesar das várias utilidades possíveis – como em um cartão de identificação, por exemplo - a maior aposta é mesmo em transações financeiras.

No caso do sistema da Apple, batizado de Apple Pay, o usuário pode incluir os dados do cartão de crédito por meio do iTunes e utilizar o celular para efetuar pagamentos em locais que disponibilizem máquinas com NFC. Basta colocar o iPhone perto do leitor e manter um dedo no Touch ID (sistema de identificação de impressões digitais) do celular. Uma vibração no smartphone avisa que o leitor recebeu com êxito as informações e o pagamento foi feito, sem a necessidade de digitar senhas.

Segundo a fabricante do iPhone, o Apple Pay é compatível com 83% das bandeiras de cartão disponíveis nos Estados Unidos e já conta com 220 mil estabelecimentos cadastrados no país. O sistema chegou a arrancar elogios do co-fundador da Microsoft, Bill Gates, que chamou a nova empreitada da Apple de uma "ideia fantástica". A expectativa é que a popularidade do iPhone ajude a disseminar a tecnologia, que pode ser incluída inclusive em dispositivos vestíveis, como relógios e pulseiras inteligentes. Celulares de outras marcas, como o Galaxy S5, da Samsung, o Xperia Z2, da Sony, e o G3, da LG, também veem com NFC.

Presença tímida

No Brasil, a utilização da tecnologia ainda é tímida. Projetos pilotos estão sendo feitos desde o ano passado por bancos e operadoras de telefonia – o Itaú tem uma parceria com a TIM, enquanto a Vivo e a Claro trabalham com o Bradesco para disponibilizar pagamentos via NFC utilizando máquinas da Cielo. O PagSeguro tem 16 estabelecimentos cadastrados em São Paulo para transações com a tecnologia.

"Já é possível contar com a capilaridade do celular, mas ainda é preciso adaptar o varejo para essa modalidade e criar esse costume nas pessoas. Não é um desafio tão simples, tanto do ponto de vista tecnológico quanto do hábito de consumo. E uma barreira pode ser a percepção de segurança do usuário, já que o brasileiro está acostumado a digitar a senha na transação, a ter cartão com chip", afirma Bernardo Carneiro, CEO do Site Blindado, empresa especializada em e-commerce e segurança na internet.

Iniciativas tentam popularizar NFC

Em São Paulo, um aplicativo para Android desenvolvido pela Ponto Certo, rede de recarga do Bilhete Único do transporte público paulistano, permite que o usuário utilize o celular com NFC para fazer a recarga do seu cartão ou para consultar o saldo. Basta aproximar o cartão de transporte do celular – até então, era preciso ir a pontos autorizados para colocar mais créditos, em estações de metrô ou terminais de ônibus. Há alguns empecilhos, porém: é preciso conexão à internet para fazer a transação e vários celulares que possuem NFC, como o LG G2 e o Galaxy S4, não são compatíveis com o app.

A curitibana Dataprom, que desenvolveu o sistema de bilhetagem eletrônica da Rede Integrada de Transporte (RIT), também está estudando a implantação de novas tecnologias para pagamento utilizando o celular, incluindo o NFC. Para o vice-presidente comercial de Adquirência (credenciamento de lojistas) da First Data Brasil, Henrique Capdeville, o maior potencial no Brasil, neste primeiro momento, está nas pequenas transações, como o pagamento de passagens de ônibus e de entradas em teatros, estádios e museus.

O maior desafio é mesmo disseminar a tecnologia entre os lojistas e convencer o varejo de que o celular pode ser um meio de pagamento tão ágil e seguro quanto o cartão. "O lojista vai passar por um aprendizado, mas você não consegue gerar esse hábito com somente 1% das transações ocorrendo neste ou naquele modelo. Para o celular ser usado em larga escala, tem que haver também a convergência dos bancos e das bandeiras [de cartões]", defende Capdeville.

Driblando o caixa

Há ainda outras iniciativas que, apesar de não utilizarem o NFC, aproveitam o smartphone para facilitar o pagamento e dar mais autonomia ao cliente. O PayPal possui uma parceria com cinco lojas da rede paulista Suplicy Cafés Especiais em que o usuário paga a conta diretamente pelo celular, por meio de um aplicativo, sem precisar passar pelo caixa. Ao mesmo tempo, o varejista tem acesso ao perfil do cliente e seus hábitos de consumo.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.