i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Conjuntura

Alta ociosidade e fraqueza faz indústria deixar o crédito de lado

    • Estadão Conteúdo
    • 11/10/2019 15:48
    indústria
    | Foto: Pixabay

    Em um ambiente de fraqueza da economia e alta ociosidade nas linhas de produção, a indústria brasileira pouco recorreu ao crédito no início de 2019. Levantamento da Confederação Nacional da Indústria (CNI) mostra que seis de cada dez empresas industriais não procuraram renovar operações de crédito ou contratar novos financiamentos no primeiro trimestre do ano. No caso do crédito de longo prazo, o porcentual é de 66%.

    Para esse levantamento, a CNI ouviu 1.770 indústrias em todo o País. Por trás do alto índice de empresas que não buscaram crédito no começo de 2019 estão os custos elevados das operações e a própria fraqueza da economia brasileira, que inibe investimentos.

    "Entendemos que as empresas foram desestimuladas. Elas não sentiram necessidade de pedir a renovação ou contratar um novo crédito, porque as condições não eram adequadas para o negócio", avalia o economista Flávio Castelo Branco, gerente executivo da unidade de Política Econômica da CNI.

    Segundo ele, isso ocorreu porque o custo do empréstimo era alto ou porque os negócios na indústria não estavam em um ritmo mais intenso, que exigisse financiamentos.

    O levantamento da CNI mostra que os juros elevados cobrados pelos bancos são o principal problema apontado pelas empresas. Em operações de curto prazo, 80% das indústrias citaram o juro como uma dificuldade. Em segundo lugar, aparece o prazo reduzido da operação de crédito, com 36% das citações.

    Nas linhas de longo prazo, entre as dificuldades apontadas pelas indústrias para obtenção de crédito estão os juros elevados, com 76% de citações, e a exigência, pelos bancos, de garantias reais para fechar um empréstimo, com 46% das menções.

    Queda da Selic não chega à indústria

    Para o economista da CNI, os números indicam que a queda da Selic (a taxa básica de juros) nos últimos anos ainda não chegou totalmente às empresas na ponta final do crédito.

    A Selic vem recuando no Brasil desde outubro de 2016, quando estava em 14,25% ao ano. No mês passado, o Banco Central anunciou um novo corte da taxa, para 5,50% ao ano - o menor patamar da série histórica.

    Os números do BC mostram que, de fato, desde outubro de 2016, quando começou a queda da Selic, as taxas cobradas de empresas também recuaram. Naquela época, a taxa média de juros em operações com pessoas jurídicas estava em 30,4% ao ano, considerando o chamado crédito livre - aquele que não utiliza recursos da poupança e do FGTS. Em agosto de 2019 - dado mais recente -, o juro médio já estava em 18,9%.

    Ainda assim, o custo de financiamento para as empresas é considerado elevado. "Como o spread no Brasil é alto, essas taxas de juros ainda são muito superiores para as empresas ao que é verificado em outros países", pontuou Castelo Branco. O spread representa a diferença entre o custo de captação dos bancos e o que é efetivamente cobrado da empresa na ponta final.

    Fraqueza econômica

    Especialista no mercado de crédito, a economista Isabela Tavares da Tendências Consultoria Integrada, avalia que os juros no País, apesar da queda recente, ainda estão em níveis altos na comparação com outros países. Além disso, o crescimento da economia segue fraco, o que limita a busca por crédito por parte das empresas, como sugere o levantamento da CNI. "E ainda temos a incerteza, que se relaciona muito com o ambiente político", afirma Isabela. "Isso limita o investimento por parte das empresas."

    Após apresentar forte retração de 2014 a 2016, a produção industrial cresceu 2,5% em 2017 e 1,0% em 2018 no Brasil. Para 2019, porém, as estimativas do mercado financeiro já apontam para uma nova queda, de 0,65%.

    Para Castelo Branco, as dificuldades da indústria passam pela baixa produtividade, em um ambiente de problemas tributários do País, dificuldades de logística, burocracia em excesso e alto custo para se financiar.

    1 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 1 ]

    Máximo 700 caracteres [0]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

    • L

      Lionel Junior de Arruda

      ± 10 minutos

      Tenho conta no Banco do Brasil. Minha empresa é indústria...comércio e serviços...importo a 6 anos...não tenho 1 centavo de qualquer tipo de dívidas com banco ou financiamento. Tenho todas as negativas de impostos...paguei em dia todo e qualquer financiamento que tomei prla minha empresa. Peço empréstimo ao banco pra comprar máquinas pra gerar mais emprego.......me dá 30.000 reais de limite.na minha pessoa física tenho 200 mil pra comprar carro...casa...o que eu quiser...mas pra gerar emprego...30 mil. O Brasil mudou de direção...mas o banco ainda é Petista.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • Máximo 700 caracteres [0]