i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Crise

Investidores do Lehman Brothers protestam em Cingapura

  • PorReuters
  • 11/10/2008 13:36
Investidores ligados ao banco Lehman Brothers realizaram encontro púlico em Cingapura para discutir maneiras de conseguir uma indenização | Vivek Prakash/Reuters
Investidores ligados ao banco Lehman Brothers realizaram encontro púlico em Cingapura para discutir maneiras de conseguir uma indenização| Foto: Vivek Prakash/Reuters

Cerca de 600 investidores ligados ao banco Lehman Brothers realizaram um encontro público em Cingapura neste sábado (11) para protestar contra a maneira como as instituições financeiras venderam a eles os produtos de investimento e para discutir maneiras de conseguirem uma indenização.

Realizado na Speakers' Corner, a única área pública na qual encontros podem ser realizados sem uma permissão especial na cidade-estado, a multidão incluiu várias pessoas que compraram produtos em julho, quando já havia preocupações sobre a saúde financeira do Lehman.

"Eles nunca me disseram que o emissor era o Lehman, e eu falei ao gerente que estava com medo dos bancos norte-americanos", disse Lin King, que comprou um valor de 60.000 dólares de Cingapura (40.900 dólares norte-americanos) em "minibonds" ligados ao Lehman por uma financeira de Cingapura que comercializou as notas como uma alternativa segura para depósitos fixos.

Protestos públicos são raros em Cingapura.

Lin afirmou que foi persuadida a comprar as notas quando foi renovar um depósito a prazo. Ela e outros investidores mostraram à Reuters brochuras impressas pela instituição financeira, nas quais não há indicação de que o produto era estruturado pelo Lehman.

Alguns poucos investidores mais velhos choravam alegando terem perdido uma vasta parte de seus valores recebidos na aposentadoria. "Eu não sabia que era do Lehman", afirmou uma mulher já na casa dos 60 anos. "Eu não quero juros, só quero o meu depósito de volta."

Tanto Cingapura quanto Hong Kong possuem leis que estabelecem que os bancos devem assegurar que os clientes comprem produtos de investimentos que sejam consistentes com as suas necessidades e perfis de risco.

A Autoridade Monetária de Cingapura (MAS) afirmou que cerca de 9.700 pessoas compraram notas ligadas ao Lehman, no valor de mais de 500 milhões de dólares de Cingapura. Autoridades de Hong Kong dizem que receberam mais de 7.000 reclamações de investidores alegando que bancos os venderam produtos do Lehman indevidamente.

A MAS informou ainda que, embora possa aplicar multas e suspender as licenças das instituições financeiras que não cumprem as suas regras, não tem o poder de exigir que os bancos indenizem os investidores.

Segundo Tan Kin Lian, um dos idealizadores do protesto, a manifestação deste sábado tinha como objetivo juntar e organizar os investidores para uma ação coletiva contra as empresas ou fazer uma requisição aos membros do Parlamento.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.