i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Automóveis

IPI reduzido depende de empregos

Fenabrave pede prorrogação da desoneração ao setor automotivo; de Londres, porém, Dilma ameaçou suspender benefício em caso de demissões

  • PorAgência Estado e Folhapress
  • 29/07/2012 21:17
Dilma passou “recado” a montadoras de Londres | Sergio Moraes/Reuters
Dilma passou “recado” a montadoras de Londres| Foto: Sergio Moraes/Reuters

Descaso

GM de São José dos Campos é caso pontual, diz Fenabrave

Agência Estado

O presidente da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), Flávio Meneghetti, avaliou a situação em que se encontra a General Motors (GM) de São José dos Campos (SP) como um caso pontual na indústria. Há a preocupação de que a montadora demita mais de 1.500 empregados, o que vem causando mobilização na planta por parte do sindicato dos metalúrgicos de toda a região.

O governo federal esteve no local, na quinta-feira, para intermediar as negociações por meio do secretário de Relações do Trabalho do Ministério do Trabalho, Manoel Messias. Foi o caso da GM que incitou as declarações de ontem da presidente Dilma Rousseff sobre a necessidade das montadoras manterem o compromisso do emprego de seus funcionários em contrapartida às desonerações concedidas ao setor.

O executivo fez a avaliação após sair da sede do Ministério da Fazenda, onde esteve reunido com o ministro interino, Nelson Barbosa. "Não posso responder pela indústria, mas creio que é um caso pontual e acredito que as montadoras vão ter bom senso para rever sua posição", afirmou.

Os distribuidores de veículos pediram ao Ministério da Fazenda, ontem, a prorrogação da desoneração do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) dos carros, que se encerra no dia 31 de agosto. O pedido foi feito em um momento delicado, diante da insatisfação do Palácio do Planalto com a possível demissão de 1.500 trabalhadores na General Motors de São José dos Campos, São Paulo.

O sindicato dos metalúrgicos, a empresa e o próprio governo tentam encontrar uma saída para o caso. A resposta do ministro interino da Fazenda, Nelson Barbosa, foi a de que o governo condicionará a extensão do benefício a um compromisso da empresa de que o quadro de funcionários não sofrerá redução, conforme relatou a senadora Kátia Abreu (PSD-TO).

Números

Para tentar convencer o ministro de que o setor depende da isenção, o presidente da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), Flávio Meneghetti, foi armado de números. De acordo com ele, as vendas do setor vinham apresentando queda até maio (-1,5%), mas em julho reverteram a direção e passaram a subir 1,5%. Por causa disso, a Fenabrave já espera um crescimento das vendas de 3% a 4% este ano. Até então, a estimativa era de retração em 2012.

Ele avaliou a situação da GM como pontual. De Londres, no entanto, a presidente Dilma Rousseff ameaçou suspender o benefício da redução do IPI para todo o setor caso os desligamentos sejam efetivados. "Nós só damos incentivos e fazemos uma política anticíclica voltada para o crescimento para garantir o emprego. São todos, não só as montadoras, todos os setores que receberam incentivo do governo tem de saber que nós fazemos isso por um único motivo do mundo: garantir o emprego e a renda do povo brasileiro", disse ela, em coletiva de imprensa.

"Setorialmente não tem havido demissões na indústria autobilística nacional. O caso da GM é pontual e cabe a ela explicar ao governo o que está acontecendo em sua unidade em São José dos Campos", contestou o diretor de Relações Institucionais da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Ademar Canteiro. "Nosso acordo com o governo é de manter o nível de emprego no setor com exceção de programas de demissão voluntária, lay off e contratos temporários", acrescentou.

Dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho mostram que entre janeiro e junho deste ano o saldo é de 3.559 contratações.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.