i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Produção

Irã apoia medidas para estabilizar mercado do petróleo

Arábia Saudita, Rússia, Venezuela e Catar decidiram congelar sua produção de petróleo para estabilizar os preços no mercado

    • Teerã
    • AFP
    • 17/02/2016 15:55
    Nesta quarta-feira, os preços do petróleo voltaram a subir com a perspectiva de um compromisso iraniano. | Frederic Brown/AFP
    Nesta quarta-feira, os preços do petróleo voltaram a subir com a perspectiva de um compromisso iraniano.| Foto: Frederic Brown/AFP

    O Irã manifestou nesta quarta-feira (17) apoio às medidas propostas por outros grandes países produtores de petróleo para estabilizar o mercado e reverter a queda brutal do preço do barril. “Esperamos o início da cooperação entre os países membros e não-membros da Opep e apoiamos todas as medidas que possam estabilizar o mercado e aumentar os preços”, declarou o ministro do Petróleo iraniano, Bijan Zanganeh, citado pelo serviço de comunicação do ministério.

    Na véspera, Arábia Saudita, Rússia, Venezuela e Catar decidiram em Doha congelar sua produção de petróleo para estabilizar os preços, mas o anúncio não teve um grande impacto nos mercados, que esperavam cortes. A iniciativa, que prevê manter os níveis de produção nos níveis de janeiro, também está condicionada a que os outros grandes produtores se somem a ela.

    Quatro gigantes do petróleo concordam em congelar produção

    Os governos de Arábia Saudita, Rússia, Venezuela e Qatar decidiram agir em conjunto para conter a queda no preço do petróleo.

    Leia a matéria completa

    A posição do Irã era particularmente esperada, uma vez que o país havia anunciado sua intenção de aumentar a sua produção para recuperar mercados após o recente levantamento das sanções impostas pelas grandes potências por seu programa nuclear.

    O Irã, segundo maior produtor da Opep, atrás da Arábia Saudita, produz cerca de 2,8 milhões de barris por dia e exporta mais de um milhão. Em janeiro, após o fim das sanções, anunciou a sua intenção de aumentar a produção em mais de 500.000 barris por dia.

    Zanganeh descartou na terça-feira (16) que o Irã “renunciará” a sua quota de mercado, mas disse que estava “pronto para discutir” possíveis tetos de produção. O preço do petróleo caiu mais de 70% desde junho de 2014, chegando a ser cotado este ano abaixo de 30 dólares.

    O anúncio de um possível congelamento da produção surtiu pouco efeito na terça-feira nos mercados, que esperavam cortes para absorver o excesso de oferta. Os preços do petróleo fecharam mesmo em retirada, depois de um breve rali.

    Nesta quarta-feira, no entanto, os preços do petróleo se recuperavam com a perspectiva de um compromisso iraniano. Às 17h00 GMT (15h00 de Brasília), o contrato do barril de West Texas Intermediate para entrega em abril subia 2,13 dólares, a 34,31 USD.

    O barril de Brent do mar do Norte subia 1,62 USD em relação ao fechamento de terça, a 30,66 dólares, enquanto o barril de “light sweet crude” (WTI) para entrega em março ganhava 1,62, para 30,66 dólares, no New York Mercantile Exchange (Nymex).

    O ministro do Petróleo saudita, Ali al-Nuaimi, afirmou que o acordo pretende “estabilizar o mercado”. A queda nos preços foi em grande parte devido à estratégia da Opep, especialmente da Arábia Saudita, de inundar o mercado para defender a sua parte contra os produtores de petróleo e gás de xisto nos Estados Unidos.

    Mas essa estratégia causou uma redução drástica na receita de países em grande parte dependentes das exportações de hidrocarbonetos.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    Máximo 700 caracteres [0]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.