i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Estiagem

Lavouras de trigo do Norte do estado sofrem com a seca

  • PorThiago Ramari, da Gazeta Maringá
  • 27/08/2010 21:19

A estiagem poderá reduzir a colheita de trigo em Maringá. Depois de nove dias de tempo seco, com umidade relativa do ar variando entre 17% e 57%, a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater) prevê perda de 20% a 30% do total dos grãos que estão em fase de formação, e que só deverão ser colhidos daqui a 20 dias. De acordo com o engenheiro agrônomo da Emater, Joaquim Nereu Girardi, a situação ainda pode piorar. "A cada dia que não chove, o prejuízo previsto aumenta", diz.

O trigo em fase de formação corresponde a aproximadamente 20% da plantação da cultura no município. Segundo Girardi, os outros 80% que já foram ou estão sendo colhidos não foram prejudicados pela estiagem, rendendo de 110 a 120 sacas por hectare. A dúvida é quanto à colheita que vai ocorrer em meados de setembro.

Paraná

No Paraná, o Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria de Agricultura e do Abastecimento afirma que o alerta está ligado para as propriedades rurais que têm trigo nas fases de floração ou de frutificação, que são mais vulneráveis à estiagem. Segundo o último relatório, divulgado há um mês, essas plantas correspondiam a 45% de 1,041 milhão de hectares com trigo no estado. A engenheira agrônoma do Deral, Margorete Demarchi, afirma que já pode haver perdas, mas elas ainda não foram constatadas nos levantamentos. "O quadro é preocupante", explica. Ao todo, a estimativa é que o estado colha pouco mais de 3 milhões de toneladas de trigo neste ano.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.