Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Economia
  3. Líder, Positivo Informática mira novos mercados

negócios

Líder, Positivo Informática mira novos mercados

Maior fabricantes de computadores do país busca consolidar em dois anos participação no mercado de tablets e smartphones

  • Cristina Rios
Helio Rotenberg: “o computador tradicional não está morto” |
Helio Rotenberg: “o computador tradicional não está morto”
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Com a venda de computadores perdendo espaço para outros dispositivos, a maior fabricante do setor do país quer diversificar. Depois de passar a vender tablets e smartphones, a Positivo Informática, com sede em Curitiba, quer ingressar em novos segmentos de produtos e reforçar sua estratégia de internacionalização.

A empresa, que abriu uma filial na Argentina há três anos, acaba de fazer sua estreia no Uruguai, com a venda de 40 mil equipamentos para o governo local e se prepara para entrar em pelo menos mais um país da América do Sul ainda esse ano, adianta o presidente da empresa, Helio Rotenberg.

As vendas para o governo uruguaio foram feitas pela subsidiária da Argentina, onde a empresa inaugurou, em julho do ano passado, a sua segunda fábrica. A Positivo é hoje líder de mercado no país, com 10% de participação, e tem uma joint venture com a argentina BGH. A nova fábrica, em Buenos Aires, tem capacidade para 45 mil computadores por mês.

O projeto de internacionalização corre paralelo à estratégia de pesquisar novos mercados de produtos para a marca. Embora não detalhe os projetos em estudo, Rotenberg diz que não estão descartadas pequenas aquisições de empresas. A estratégia inclui trazer o executivo brasileiro que hoje comanda a operação na Argentina, Norberto Maraschin Filho, de volta para o Brasil para cuidar da área de novos negócios. “Queremos consolidar nossa participação em tablets e smartphones em dois anos e devemos ingressar em um novo segmento”, diz.

Desafio

A Positivo sabe que precisará se reinventar nos próximos anos. A empresa, que cresceu junto com o mercado de computadores, onde é líder há nove anos, se vê agora diante do desafio de atuar em um segmento onde há forte disputa por preço e margens apertadas e que perde espaço para outros equipamentos, como tablets e smartphones.

Dados da consultoria IDC mostram que as vendas de computadores vêm caindo em todo mundo. A previsão para 2013 era de uma queda de 10%. “O computador tradicional não está morto e nem vai morrer, mas sabemos que hoje a opção é pela diversidade de dispositivos”, reconhece Rotenberg.

O estudo do IDC mostra que o consumidor vem resistindo a trocar seu desktop de mesa, prorrogando a vida útil do equipamento. No Brasil, a expectativa é que as vendas de tablets já superem a de notebooks nesse ano, com 10,7 milhões de unidades contra 8,4 milhões.

A Positivo fechou o ano passado com 5,7% de participação de vendas de tablets no Brasil. Novata nesse mercado, a empresa cresceu 391% no número de unidades vendidas. A linha de celulares cresceu 410% contra 15% de notebook e de 2,2% em desktops.

Segundo Rotenberg, apesar da concorrência pesada, a empresa quer brigar para estar entre as maiores em tablets e smartphones. “Nos incomoda sermos ainda um traço em smartphones, por exemplo. Vamos lutar para crescer e nos posicionarmos entre os cinco”, diz.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE