i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Carreira

As quatro tendências que estão mudando o jeito de contratar no mundo

Novas técnicas de seleção, big data, inteligência artificial e a busca por mais diversidade nas empresas são as macrotendências em recursos humanos identificadas pelo LinkedIn

  • PorFabiane Ziolla Menezes
  • 26/01/2018 17:00
A macrotendência mais forte para os recursos humanos identificada pelo LinkedIn é a busca pela diversidade.  Aqui, por diversidade entende-se, principalmente, inclusão e senso de pertencimento nas empresas. | /Bigstock
A macrotendência mais forte para os recursos humanos identificada pelo LinkedIn é a busca pela diversidade.  Aqui, por diversidade entende-se, principalmente, inclusão e senso de pertencimento nas empresas.| Foto: /Bigstock

Em uma pesquisa com quase 9 mil gestores e recrutadores de 39 países, o LinkedIn identificou quatro macrotendências que, em breve, transformarão a área de recursos humanos: a busca por mais diversidade dentro das empresas; a criação de novas formas de seleção, além da entrevista; o uso do big data, esse imenso volume de informações produzidas por dispositivos o tempo todo, para uma busca mais certeira e ativa dos profissionais desejados; e também o uso da inteligência artificial para refinar e até automatizar parte de todo esse processo.

Essas macrotendências vêm sendo adotadas gradativamente, e na ordem de prioridade apresentada acima, por empresas e companhias especializadas no recrutamento de talentos.

Segundo o diretor regional do LinkedIn para a América Latina, Milton Beck, essas tendências “nos mostram que o processo está se tornando mais tecnológico, inteligente, eficiente e democrático”. Ele explica, por exemplo, que ao utilizar novas ferramentas, o objetivo dos recrutadores é o de reduzir “o viés de uma entrevista”. 

LEIA TAMBÉM: Quanto ganham os profissionais da área que está na “crista da onda” em 2018

Quando analisada a macrotendência da diversidade, o que a pesquisa do LinkedIn revela é que por diversidade entende-se, principalmente, inclusão e senso de pertencimento nas empresas. Essa é a tendência mais forte das quatro identificadas pelo levantamento.

Mais do que apenas ficar bem em uma pesquisa de clima organizacional, o que as empresas ouvidas pelo LinkedIn entendem é que elas devem priorizar a diversidade como forma de enriquecer a cultura organizacional (78%), alavancar a performance da companhia (62%) e representar internamente a diversidade dos clientes que a empresa atende (49%). 

Quem tem o senso de pertencimento aguçado terá, consequentemente, o chamado “olhar de dono” sobre o negócio. É um sentimento que vai bem além do que salários e benefícios podem oferecer, embora esses itens também sejam importantes para a avaliação da diversidade dentro de uma organização.

E quando a questão é a busca pela diversidade isso precisa estar refletido na imparcialidade dos processos de contratação. 

“O mais importante em um processo de recrutamento é você fazer um primeiro filtro do candidato pelas suas qualificações e habilidades, não importando gênero, orientação sexual, religião etc”, explica Beck. “O Recruiter, produto desenvolvido pelo LinkedIn para recrutar candidatos e utilizado por milhares de empresas ao redor do mundo, é um exemplo disso: por meio dele, é possível pesquisar candidatos sem filtrar por nenhuma das características mencionadas, apenas por suas habilidades, formação, idiomas que domina, ou seja, habilidade técnicas e da área que a empresa busca para uma determinada vaga.”

Vídeos, hackatons e outros desafios que vão além da entrevista de emprego

Estudos de caso, hachatons e outras novas formas de recrutamentos que trazem o candidato para dentro da realidade da empresa, mesmo que por algumas horas, também são cada vez mais comuns.  Bigstock

A segunda macrotendência mais adotada hoje pelas empresas e que só deve crescer é a criação de novas formas de seleção, desenhadas para identificar exatamente o profissional de que a empresa necessita. 

O que outras consultorias já argumentaram em outras reportagens de Livre Iniciativa sobre o tema, e também o que a pesquisa do LinkedIn revela, é que as entrevistas tradicionais falham em identificar habilidades que vão além da objetividade do cargo (as chamadas soft skills, no jargão RH) ou mesmo em encontrar as reais fraquezas de performance do candidato.

LEIA TAMBÉM: Vai buscar uma vaga de emprego? Se prepare para seleções “moderninhas”

É aí que entram dinâmicas diferentes, como entrevistas em lugares fora do ambiente do trabalho ou desafios e estudos de caso que trazem a realidade da empresa de forma mais viva para os candidatos.

Para os gestores ouvidos pelo LinkedIn, todas essas técnicas, somadas às tradicionais, parecem oferecer um retrato mais realista dos candidatos (69%), mostrar para o próprio candidato se aquele trabalho é para ele (59%), de uma forma mais imparcial (47%) e de um jeito que fica mais difícil de os próprios candidatos mentirem sobre si mesmos (26%).

Big data e inteligência artificial devem ser a nova fronteira dos recursos humanos

A automatização de parte dos processos de seleção é uma das principais esperanças das empresas em relação ao big data e à inteligência artificial. Bigstock

As outras duas macrotendências identificadas pelo estudo da plataforma estão sendo adotadas a passos mais lentos, mas devem ter um impacto grande na forma de contratar em breve. Decisões baseadas em dados não são nenhuma novidade, mas o que o big data e a inteligência artificial oferecem agora, e não só para a área de recursos humanos, é a automatização de parte dessas decisões, baseada na simulação de cenários que só algoritmos e outros arranjos podem oferecer.

Segundo os gestores ouvidos pelo LinkedIn, essas tecnologias podem ser usadas para identificar habilidades que faltam nos funcionários, por meio de avaliações mais sofisticadas de performance (crença de 50% dos entrevistados), ou mesmo para prever as necessidades futuras de contratação de uma companhia, por meio dos cenários possíveis para a empresa (29%).

Outra vantagem do uso da inteligência artificial é a diminuição do trabalho “braçal”, como a análise de mais de mil candidatos inscritos em um programa de trainee de uma grande companhia, por exemplo. É o que mais da metade dos respondentes da pesquisa do LinkedIn argumentam. 

Por ora, porém, as aplicações de big data e inteligência artificial nos recursos humanos esbarram em questões como alto custo e falta de qualidade dos dados disponíveis para fazer avaliações de pessoal. De forma geral, porém, os gestores veem essas tecnologias com olhar positivo, imaginam que elas facilitarão o trabalho de recrutadores e valorizarão ainda mais as habilidades dos candidatos.

O que fazer diante dessas tendências?

Aos candidatos de agora ou do futuro, o diretor regional do LinkedIn para a América Latina, Milton Beck, diz que “a preparação do candidato deve ser a mesma: estar sempre atualizado sobre seu mercado de atuação, seja fazendo cursos ou novas graduações”. 

Ele também frisa que “é fundamental que a pessoa esteja preocupada não apenas em ter habilidades técnicas, mas que também saiba trabalhar em um ambiente com diversidade, em equipe, relacionar-se bem com seus colegas e que tenha seus valores e propósitos alinhados aos da empresa”. 

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.