110352

Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Economia
  3. Livre Iniciativa
  4. Carreira e Concursos
  5. Brasil vai precisar de 10 milhões de médicos, professores e enfermeiros até 2040, diz BID

futuro do trabalho

Brasil vai precisar de 10 milhões de médicos, professores e enfermeiros até 2040, diz BID

O crescimento dessas profissões é atribuído pelo BID à dificuldade de se automatizar as atividades dessas áreas, entre outros fatores

  • Folhapress
As estimativas do BID levaram em conta a proporção de médicos em relação à população de idosos que existirá nas próximas décadas. | Valterci Santos/Arquivo
As estimativas do BID levaram em conta a proporção de médicos em relação à população de idosos que existirá nas próximas décadas. Valterci Santos/Arquivo
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Um estudo do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) afirma que o Brasil vai precisar de cerca de 4 milhões de professores, 1 milhão de médicos e 4,5 milhões de enfermeiros em 2040. Chamado “Educação e Saúde: os setores do futuro?” e disponível em espanhol, o estudo projeta qual será a demanda futura de profissionais no que chama de setor social na América Latina.

Segundo a publicação, a região analisada necessitará de 10,3 milhões de professores, 2,4 milhões de médicos e 6,2 milhões de enfermeiros no final do período analisado. O resultado indica que o número de profissionais nessas áreas quase dobrará no período.

O crescimento dessas profissões é atribuído pelo BID à dificuldade para automatizar as atividades feitas por seus profissionais, ao envelhecimento populacional e ao potencial de aumento de matrículas no sistema educacional.

+LEIA TAMBÉM: Os 19 cargos que estarão em alta para contratação em 2019

Segundo o BID, um terço dos professores e dois terços dos médicos da região que estarão ativos em 15 anos serão formados por pessoas que ainda não entraram no mercado de trabalho.

“Diante desta realidade, é importante assegurar que estes novos profissionais tenham as habilidades e a formação que necessitam para serem os professores, médicos e enfermeiros do futuro”, diz o estudo.

Para chegar aos resultados, foram analisadas diferentes variáveis. No caso da educação, entraram na conta dados como população em idade de estudar e número de crianças por professor. Já em saúde, levou-se em consideração a proporção de médicos em relação à população de idosos que existirá nas próximas décadas, assim como a proporção de enfermeiros por médico.

O estudo também analisa a evolução do emprego de professores, médicos e enfermeiros durante as últimas quatro décadas na América Latina e o Caribe.

+LEIA TAMBÉM: 2019 promete ser o ano da recuperação do emprego; não do salário

Diferença salarial entre homens e mulheres nessas áreas é menor

Segundo a publicação, a diferença salarial em atividades de homens e mulheres ligadas à saúde e educação é menor do que em outros setores.

O estudo afirma que, na região, as mulheres com educação pós-secundária ainda ganham em média 28% menos que os homens. Por outro lado, em educação e saúde essa diferença é de aproximadamente 10%.

Além disso, as mulheres representam cerca de 75% da força de trabalho nesses segmentos.

De acordo com o BID, o número de profissionais de educação e saúde quadruplicou em quarenta anos e atualmente 11 milhões de pessoas trabalham como médicos, enfermeiros e professores na América Latina e Caribe.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

O jornalismo da Gazeta depende do seu apoio.    

Por apenas R$ 0,99 no 1º mês você tem
  • Acesso ilimitado
  • Notificações das principais notícias
  • Newsletter com os fatos e análises
  • O melhor time de colunistas do Brasil
  • Vídeos, infográficos e podcasts.
Já é assinante? Clique aqui.
>