Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
 |
| Foto:

A próxima grande queda da Bolsa brasileira já tem data para acontecer: 19 de outubro. É o que apontam os cálculos do Índice de Mudanças Abruptas (IMA), desenvolvido por dois pesquisadores brasileiros, Marco Antônio Leonel Caetano, docente do Insper, e Takashi Yoneyama, do Instituto Tecnológico da Aeronáutica (ITA), a partir de um modelo matemático com ajustes de parâmetros estatísticos inspirado em métodos antes usados, por exemplo, para a previsão de terremotos.

Ainda na década de 1990, o geofísico Didier Sornette resolveu levar o modelo de previsão de turbulências em foguetes Ariane – lançadores de satélites usados pela Agência Especial Europeia à época –, para a área da sismologia, no Departamento de Ciências Terrestres e Espaciais da Universidade da Califórnia.

Sua missão era prever terremotos, ou mais precisamente, o acúmulo de energia capaz de gera-los. Anos mais tarde, esse evento da natureza o inspirou a fazer o mesmo com o mercado financeiro: um modelo capaz de medir o acúmulo de energia (leia-se: dinheiro) no mercado financeiro e prever o próximo momento de queda. 

O modelo foi testado em todas as bolsas do mundo e ficou conhecido como log-periódico. Com ele, Sornette previu em 2005 a bolha imobiliária que estouraria em 2008 nos Estados Unidos.

LEIA TAMBÉM: Febre das criptomoedas: bitcoin já tem corretoras, banco e até bolsa no Brasil

A lógica por trás do IMA é um pouco diferente da de Sornette. Enquanto o geofísico francês conseguiu prever fortes quedas por meio de ciclos periódicos, Caetano e Yoneyama, usando o histórico do Ibovespa e de algumas de suas principais ações, substituíram a metodologia dos ciclos por análises nas oscilações dos preços com frequências variantes e rápidas.

É a técnica das wavelets (ou ondaletas), também usada, por exemplo, pelo telefone celular quando o dispositivo busca pela frequência de sinal mais próxima. Caetano explica que o método consiste em avaliar a variação de ondas pequenas para medir a frequência com que as oscilações mudam com o passar do tempo. Quanto mais próximas estiverem essas ondas de baixa volatilidade, mais próxima também está uma tendência de mudança de cenário no mercado financeiro.

Por outro lado, quando as oscilações são de alta volatilidade e menor frequência, o risco de uma mudança abrupta é menor. Sendo um índice, o IMA traduz esse risco de reversão numa escala de zero a 1. Quanto mais próximo de 1, maior a chance para um crash ou para um rally de alta, dependendo apenas da tendência do movimento dos ativos. Se o movimento das ações for de alta e o IMA estiver um 1, um crash poderá ocorrer. Se os preços estiverem em queda, e o IMA estiver em 1, a tendência pode mudar para alta.

No gráfico abaixo estão os resultados do IMA desde 2010. A linha vermelha são os alertas de crash e a linha preta a pontuação do Ibovespa. Quando a linha vermelha começa a subir (IMA-crash) a bolsa sempre vira. No lado esquerdo da imagem está a pontuação do Ibovespa, e no lado direito os valores (entre 0 e 1) do IMA.Arquivo pessoal

E a Bolsa brasileira em 2018?

O IMA vem apontando para uma tendência de mudança abrupta, possível crash, desde 2017, com algo em torno de 0,90 atualmente. “A “energia” acumulada nas bolsas ao redor do mundo, tornou todos os índices muito próximos do modelo log-periódico de Sornette”, escreveu Caetano em um artigo publicado no dia 1.º de fevereiro no site de divulgação do IMA e outras pesquisas relacionadas. 

Ao perceber isso, ele aplicou o modelo do geofísico francês e parâmetros ajustados para o Ibovespa e chegou a um prazo de 183 dias, a partir do dia da publicação do artigo, para o início de um período de fortes quedas na Bolsa brasileira. Ou seja, 19 de outubro, em pleno período eleitoral. Caetano lembra também que, historicamente, outras quebras de bolsa ocorreram em outubro, como a de 1929, nos Estados Unidos. 

LEIA TAMBÉM: Wall Street investiga manipulação do VIX, o Índice do Medo do mercado de ações

Para quem olha o mercado de fora isso pode parecer improvável. Mesmo após os sustos recentes, provocados, dizem os especialistas, principalmente por fatores externos ao Brasil, e que indicavam que a Bolsa brasileira poderia sofrer “correções”, nos últimos dias a B3 voltou a ter bons resultados. O Ibovespa bateu novos recordes nominais, chegando a mais de 86 mil pontos.

Quando Caetano escreveu o artigo, o Ibovespa tinha chegado tinha acabado de chegar aos 86 mil pontos. Oito dias depois, puxado pelas quedas das bolsas norte-americanas, o indicador caiu a pouco mais de 76 mil pontos. No artigo, Caetano disse que os cálculos tinham mostrado que o Ibovespa sofreria uma queda de cerca de 10%, teria uma nova onda de alta expressiva (como a que vem ocorrendo), de mais de 20%, para então sofrer um novo recuo de 15%.

Os cálculos intradiários do IMA têm obtido acertos de 93,7%. No caso dos cálculos feitos a cada 15 minutos, também oferecidos por Caetano, a margem de erro tem sido de dois dias e meio, em média.

Assustou? Aguardemos os próximos capítulos.

Guylherme começou quase "do nada". E já fatura R$ 5 milhões. Veja como ele fez isso 👉👉 //bit.ly/2sMSDnn

Publicado por Vida Financeira e Emprego em Quinta-feira, 22 de fevereiro de 2018
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]