Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Qualquer estabelecimento pode cadastrar-se gratuitamente na plataforma Samplify e candidatar-se para ser um ponto de sampling e agregar valor a suas vendas. | Divulgação
Qualquer estabelecimento pode cadastrar-se gratuitamente na plataforma Samplify e candidatar-se para ser um ponto de sampling e agregar valor a suas vendas.| Foto: Divulgação

A distribuição de amostras grátis — ou sampling, na gíria do marketing — é uma antiga técnica, e das mais usadas pelas empresas de bens de consumo, para incentivar a compra de produtos e serviços. A Samplify, uma plataforma business to business, inovou no processo e simplificou a forma de as empresas promoverem seus produtos ao consumidor final, trazendo escala ao formato.

Fundada em janeiro de 2017, a startup entregou sete milhões de brindes de grandes companhias, como Avon, Bauducco, Coca-Cola, Hershey´s, Kimberly Clark, Nestlé, O Boticário e Unilever, em parceria com variados pontos de varejo. O faturamento foi de R$ 6,5 milhões nesse período.

O principal ativo da empresa é a tecnologia. O orçamento é construído em poucos minutos e com diferentes modelos de segmentação, seja para uma cidade ou público-alvo específico. A proposta é que as empresas de bens de consumo façam seus lançamentos ou retomadas de contato com suas marcas e itens de forma inteligente e estratégica.

>>  VHSYS: A empresa de informática de São José dos Pinhais que virou uma startup promissora

“Nosso maior insight é que o consumidor quer experimentar os produtos antes de comprá-los e a indústria tem bastante dificuldade em satisfazer essa carência”, afirma o fundador e CEO da Samplify, Ernesto Villela. 

O executivo é curitibano e a ideia de criar uma empresa que oferecesse produtos de graça e uma plataforma de experimentação surgiu ao perceber a defasagem dos modelos tradicionais de mídia. Em 2004, ele fundou a Enox, uma empresa de mídia indoor com foco em banheiros de bares. A empresa cresceu e o executivo sentiu a necessidade de levar o escritório para São Paulo, onde está desde 2008. Com o tempo, porém, ele percebeu que não estava feliz com o negócio e empreendeu mais uma vez. “Queria uma proposta de valor mais relevante para o consumidor final”, recorda. 

Para o fundador e CEO da Samplify, Ernesto Villela, a grande sacada do negócio da startup é acreditar que nada substitui a experiência com um produto na hora de influenciar a decisão do consumidor.Divulgação

A promotora no ponto de venda, a blitz na entrada do show ou a amostra dentro da revista são práticas que estão morrendo e o investimento sumindo, porque a operação é cara, aponta Villela. Além disso, tem a dificuldade de gerenciar o controle das ações e a mensuração de resultados. 

Samplify mantém foco nas grandes empresas

Os contratos das companhias com a Samplify podem ser pontuais ou anuais e têm como foco as grandes operações: é exigido um mínimo de 100 mil amostras grátis por projeto. Além de distribuir os brindes, a Samplify atua com metodologias próprias de mensuração de resultado. Ela consegue comprovar o aumento da intenção de compra e converter e calcular o ROI (sigla em inglês para Retorno sobre Investimento) das ações de sampling. 

As vendas no comércio a um raio de dois quilômetros das ativações são monitoradas para constatação de alcance. Em uma das ações promovidas em 2017 pela startup, foram distribuídas 1,7 milhão de amostras grátis de chocolate em 67 lojas de departamento de cinco cidades brasileiras durante 75 dias. O público-alvo foi de mulheres acima dos 18 anos, de classes ABC+. 

>> BoletoBancário.com: Startup fatura R$ 1 milhão por mês gerando boletos para pequenos empresários

Considerando somente o recorte da capital paulista, foi registrado um aumento de 375% no volume de vendas do produto no comércio da região de entrega dos brindes, passando de 20,51 vendas por dia para 96,79. O faturamento com o doce cresceu em 511%.

“É essencial medir a eficiência do sampling, por isso direcionamos grande parte dos nossos recursos ao acompanhamento de performance, com pesquisas de feedback pré e pós sampling e com a coleta de dados de vendas. Dessa forma oferecemos uma equação financeira de retorno de investimento que uma mídia convencional, como tevê ou revista, não consegue. É onde está nosso diferencial”, destaca Villela. 

Samplify tem mais de três mil pontos de varejo parceiros

Como ativo de valor e que viabiliza o core business da Samplify está a rede parceira de mais de três mil pontos do varejo e estabelecimentos comerciais em diversos nichos em 200 cidades do país. São lojas de departamento, salões de beleza, academias, bares, restaurantes, lojas de brinquedo, de moda infantil e de grife, universidades, campos e quadras de futebol amador. “Ou seja, no final todos ganham: a marca, que se aproxima do cliente, o estabelecimento, que agrada esse consumidor com um produto de qualidade e o cliente, que recebe um mimo e sai feliz da loja”, diz Villela.

>> E-commerce de suplementos é chance de abrir o próprio negócio sem deixar o emprego

Qualquer estabelecimento pode cadastrar-se gratuitamente na plataforma Samplify e candidatar-se para ser um ponto de sampling e agregar valor a suas vendas. Após avaliação do comércio e aprovação, o varejista recebe acesso exclusivo, de onde poderá escolher qual tipo de brinde quer receber. A startup providencia a entrega dos produtos, sem qualquer custo.

“É uma forma de acessar a população sem promotor e complexidade de mão de obra. O lojista, por sua vez, tem um cliente satisfeito e com mais chances de retornar.” 

Samplify quer dobrar o faturamento em 2018

Para 2018, a Samplify tem a meta de pelo menos duplicar o faturamento, alcançando a faixa entre R$ 12 e R$ 15 milhões, assim como a distribuição de amostras grátis, chegando a um volume de 14 milhões de brindes. Mas mais do que planejar novas receitas, a startup quer atravessar fronteiras a partir de 2019. “Não tem nada parecido fora do país e temos vários clientes de atuação global. Queremos chamar a atenção e conquistar a confiança das lideranças para nosso modelo.” No mesmo ano, a startup deve apresentar um app especialmente para o consumidor final. “Basicamente o aplicativo terá uma geolocalização dos mimos e o usuário ganhará benefícios conforme seu engajamento”, adianta Villela.

Atenção, empreendedores de Vida Financeira e Emprego: vocês estão procurando melhores opções de crédito? Então essa leitura é crucial para vocês⬇️ //bit.ly/2He5C7n

Publicado por Vida Financeira e Emprego em Sábado, 14 de abril de 2018
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]