Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Os consórcios de serviços, para reformar a casa, fazer uma cirurgia plástica e outros objetivos, são formas de escapar de juros altos de empréstimos pessoais, mas só valem a pena se a pessoa puder esperar. | Bigstock
Os consórcios de serviços, para reformar a casa, fazer uma cirurgia plástica e outros objetivos, são formas de escapar de juros altos de empréstimos pessoais, mas só valem a pena se a pessoa puder esperar.| Foto: Bigstock

Alternativa favorita de muitas famílias em seus projetos de compra de imóveis e automóveis, os consórcios estão com nova roupagem. Puxadas por uma fatia menos abastada da população, que, em razão da crise econômica, procura opções mais baratas do que os empréstimos para concretizar seus projetos, avançam com bom fôlego as modalidades de serviços cuja procura disparou nos primeiros quatro meses deste ano em relação ao mesmo período de 2016.

LEIA MAIS sobre finanças, carreira e empreendedorismo

Conforme a Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios (Abac), o número de participantes nesta modalidade em todo o país passou de 33 mil para 41 mil no período, e a venda de novas cotas saltou de 3,8 mil nos primeiros quatro meses de 2016 para 8,6 mil em 2017.

Esses produtos atendem quem está interessado em fazer uma reforma na casa, criar uma reserva para pagar a faculdade, preparar festa de casamento, fazer um intercâmbio no Exterior e até realizar cirurgias plásticas, por exemplo, evitando a necessidade de tomar dinheiro emprestado em bancos e financeiras.

“O avanço desse mercado mostra o ganho de consciência dos consumidores, que planejam melhor seus projetos e evitam juros mais altos em empréstimos”, afirma Evandro Ferreira, gerente comercial da BR Consórcios no Estado.

LEIA TAMBÉM: Não basta querer. É preciso fazer contas para saber se é hora de morar sozinho

Dados da Abac mostram que novos cotistas têm mirado uma carta de crédito mais robusta. O valor médio de cada cota no início de 2016 era de R$ 6,1 mil. Em 2017, passou para R$ 7 mil. Ainda assim, é mais baixo do que os consórcios médios (de carros e casas), de R$ 42 mil.

“É um novo consumidor, que não necessariamente já utilizava os consórcios de bens e também começa a enxergar nesta alternativa um caminho para alcançar os seus sonhos”, explica o presidente regional da Abac no Sul, Augusto Letti.

LEIA TAMBÉM: Saiba quanto você pode ganhar com a distribuição dos lucros do FGTS

Para te ajudar a fazer a escolha certa, listamos os pontos fortes e fracos dessa modalidade de consórcio

5 pontos a favor dos consórcios:

1.Os consórcios de serviços são formas de escapar de juros altos de empréstimos pessoais cobrados por bancos e financeiras.

2.Tornam-se um compromisso de economia, evitando que a pessoa deixe de guardar por algum mês.

3. Caso o consumidor tenha dificuldade de pagar até o final, no encerramento das cotas, o dinheiro é devolvido.

4. Pode-se antecipar parcelas quando houver dinheiro ou fazer um lance para ser contemplado de imediato.

5. A carta de crédito é reajustada conforme a inflação até o momento da contemplação, mantendo o poder de compra.

LEIA TAMBÉM: O tal empréstimo para negativado é uma cilada. Não caia nessa!

5 pontos contra os consórcios:

1. A espera pode ser longa: quem está guardando para uma formatura, casamento ou reforma emergencial na casa poderá aguardar um tempo demasiado.

2. As taxas administrativas podem ser altas. Assim, é importante comparar diferentes administradoras para escolher a mais vantajosa.

3. Caso não pague a mensalidade em dia, o cotista não poderá participar do sorteio mensal nem dar lances.

4. Se houver um alto índice de inadimplência no grupo, poderá haver problemas na entrega da carta de crédito.

5. A opção não deve ser vista como investimento: o consórcio é mais barato do que empréstimos, mas cobra – e não paga – juros ao seu dinheiro.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]