i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Crise

Mantega não prevê corte conjunto de juro em emergentes

  • PorAgência Estado
  • 11/10/2008 13:06

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou, neste sábado (11), que o G-20 está muito distante de uma discussão de um corte de juro coordenado entre os bancos centrais, principalmente entre os BCs emergentes. Na sede do Fundo Monetário Internacional (FMI), em Washington, ele afirmou que não há um trabalho conjunto entre os países emergentes e reconheceu que esta é uma falha, mas disse não ver possibilidade de ação coordenada destes BCs no curto prazo. Sobre liberação de reservas internacionais, o ministro estima que movimentos conjuntos são "mais eficazes"

O G-20, grupo que reúne economias industrializadas e em desenvolvimento, terá uma reunião neste sábado (11) na sede do FMI, sob a presidência de Mantega. Referindo-se a esta reunião, o ministro disse que o grupo está "muito distante de uma discussão dessa natureza, porque não há uma conexão"

"É uma falha que nós devemos sanar, nós deveríamos ter uma ação mais efetiva", admitiu ele. "Temos um pouco mais no Mercosul, por exemplo, entre os bancos centrais brasileiro e argentino, a partir agora da troca em moeda comum. Porém fica mais difícil fazer esta sintonia que foi feita (entre) os países desenvolvidos, de reduzirem, concomitantemente, as taxas de juros. Estamos um pouco mais distantes e, talvez, as realidades sejam um pouco mais diferentes. Não vejo, no curto prazo, essa possibilidade.

Ao falar de vendas de reservas internacionais, o ministro disse que "determinados movimentos, se feitos em conjunto, tornam-se mais eficazes". "Em vez de ser a força de um único país, há a percepção (entre agentes do mercado) de que é uma ação conjunta dos Bancos Centrais e que está mais assegurado que não vai deixar a corda arrebentar." Quando vários bancos centrais atuam de forma coordenada, reiterou o ministro, a força é maior porque o problema é atacado por vários lados.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.