i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Estatização

Medida é prudente, dizem analistas

  • PorAgência Estado
  • 22/10/2008 21:29

O governo mostrou prudência ao autorizar, por meio da Medida Provisória (MP) 433, que o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal comprem participações em outras instituições financeiras, segundo avaliação de economistas e analistas do mercado financeiro. Mas eles ponderam que a medida pode provocar desconfiança nos agentes do mercado. "A MP não indica que o setor esteja com problemas, mas preocupa os investidores, uma vez que foi usado um instrumento que tem caráter de urgência", afirmou o professor do Laboratório de Finanças da Fundação Instituto de Administração (FIA), Ricardo Almeida.

"A decisão do governo faz todo o sentido, mas não se pode ignorar os efeitos negativos", disse o economista chefe do Banco WestLB, Roberto Padovani. Ele considerou correta a iniciativa do governo de ter instrumentos jurídicos para conter o avanço da crise. Mas ressaltou que, ainda que não se tenha informações concretas, a decisão gera suspeita no mercado quanto à situação dos bancos brasileiros. "A decisão reforçou o clima de insegurança no mercado financeiro."

Para Luis Miguel Santacreu, da Austin Rating, a medida do governo significa mais uma alternativa para se enfrentar a redução de liquidez interna e evitar que a falta de crédito desacelere ainda mais o crescimento da economia. "As medidas anunciadas reduzem o tempo para que a retomada do crédito não seja tão demorada." Para o sócio-diretor da RC Consultores, Fábio Silveira, a decisão do governo cria uma "rede de proteção" na hipótese de ocorrer algum tipo de abalo nos bancos de pequeno porte. "Os grandes bancos brasileiros são líquidos e sólidos."

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.