i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
ásia

Meta é elevar em 20% vendas para a China, diz Pimentel

  • Poragência estado
  • 16/05/2011 11:11

O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel, propôs hoje ao ministro chinês de Comércio, Chen Deming, um aprofundamento das discussões para a mudança do padrão de câmbio internacional baseado no dólar. "É necessária a criação de uma cesta de moedas para balizar trocas comerciais e financeiras", afirmou Pimentel, após reunião que também contou com a participação do ministro de Relações Exteriores, Antônio Patriota. Pimentel também afirmou que a meta brasileira é aumentar em 20% as exportações para a China em 2011. No ano passado, os embarques brasileiros para o gigante asiático totalizaram US$ 30 bilhões.

Deming se mostrou simpático à ideia sobre o câmbio, mas ponderou que uma discussão dessa natureza tem que ser tratada no longo prazo, pelos ministros de finanças e pelos presidentes dos bancos centrais dos países. "No momento, já podemos fazer o cálculo em moedas locais no comércio entre Brasil e China. Os empresários podem optar em usar o dólar ou o real. Temos um sistema bastante aberto", completou.

Deming acrescentou que o crescimento das trocas entre os dois países será importante para o comércio internacional, sobretudo em um momento no qual os Estados Unidos, a União Europeia e o Japão ainda passam por dificuldades. Pimentel afirmou ainda que a recente imposição de barreiras às importações brasileiras de automóveis não foi tratada na reunião, porque as vendas chinesas de carros para o Brasil não são relevantes.

O ministro afirmou ainda que falará à tarde sobre as licenças não automáticas exigidas na entrada dos bens no Brasil, que têm afetado principalmente as relações com a Argentina. "Mas queria deixar claro que este não é um tema relacionado especificamente ao nosso comércio com os argentinos. É uma forma de proteger a nossa indústria automotiva", concluiu.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.