i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
NEGÓCIO

Microsoft anuncia compra do LinkedIn por US$ 26,2 bilhões

Rede social que facilita a busca de empregos e contato entre profissionais tem 433 milhões de usuários no mundo

    • Da Redação, com agências
    • 13/06/2016 10:00
    Jeff Weiner, CEO do LinkedIn (à esquerda) ao lado do CEO da Microsoft, Satya Nadella e do co-fundador da rede social profissional, Reid Hoffman | Divulgação/Microsoft
    Jeff Weiner, CEO do LinkedIn (à esquerda) ao lado do CEO da Microsoft, Satya Nadella e do co-fundador da rede social profissional, Reid Hoffman| Foto: Divulgação/Microsoft

    A Microsoft anunciou nesta segunda-feira (13) que vai adquirir a rede social LinkedIn por US$ 26,2 bilhões, em um acordo que avalia cada ação do site de relações profissionais em US$ 196.

    Siga a Gazeta do Povo no LinkedIn

    Pelos termos do acordo anunciado, o LinkedIn vai manter a sua marca, cultura e independência. Jeff Weiner continuará no cargo de presidente-executivo da rede social e se reportará a Satya Nadella, presidente da Microsoft.

    SAIBA MAIS: Confira os principais números do negócio

    “A equipe da LinkedIn desenvolveu um negócio fantástico centrado em conectar os profissionais do mundo”, afirmou Nadella. “Juntos, podemos acelerar o crescimento da LinkedIn, assim como o do Microsoft Office 365 e Dynamics com o objetivo de fortalecer cada pessoa e organização do planeta”.

    A transação também foi aprovada por Reid Hoffman, presidente do Conselho de Administração do LinkedIn e também acionista majoritário e cofundador da empresa. A expectativa é que o negócio seja concluído até o final deste ano.

    O LinkedIn, que facilita a busca de empregos e contato entre profissionais, tem 433 milhões de usuários no mundo.

    Negócio histórico

    O negócio é o maior já feito pela Microsoft em toda a história da empresa. A companhia tem apostado em consumidores corporativos, por meio de serviços baseados na nuvem e ferramentas de produtividade. Em uma apresentação anunciando a aquisição, a companhia destacou suas pretensões de tornar o perfil no LinkedIn uma peça essencial entre outras ligadas à vida profissional do usuário, integrando-se ao Windows, Outlook, Excel, PowerPoint, Skype e outros produtos da Microsoft.

    A assistente virtual Cortana, por exemplo, poderia fornecer informações, retiradas do LinkedIn, sobre os participantes de um futuro encontro de negócios, ao mesmo tempo em que o feed de notícias da rede profissional pode trazer artigos baseados em trabalhos desenvolvidos atualmente pelo usuário.

    Outros recursos podem incluir uma espécie de serviço de consultoria que irá sugerir um “expert” que pode ajudar o usuário do LinkedIn para um projeto específico.

    Empurrão

    Nesta manhã, após o anúncio do negócio, as ações do LinkedIn subiam 47%, a US$ 192,56, o maior valor intradia desde 2011. Os papéis da rede social caíram 42% este ano, com os investidores preocupados com o desempenho da empresa no longo prazo.

    O LinkedIn chegou a ser muito bem-visto pelo mercado pelo potencial de ser uma rede social capaz de também adquirir receitas como um serviço de software para negócios. No entanto, recentemente o crescimento da plataforma começou a desacelerar e tem sido mais difícil fazer os usuários retornarem ao site e pagarem pelos serviços. Desde então, a companhia tem repensado sua estratégia, redesenhando seu aplicativo para celulares a fim de torná-lo mais fácil de usar.

    Segundo o CEO da Microsoft, Satya Nadella, as duas empresas começaram a conversar sobre um possível negócio em janeiro – pouco antes do LinkedIn anunciar uma previsão de receitas para o ano abaixo do esperado, o que fez suas ações caíram mais de 40% em apenas um dia. As conversas avançaram assim que Nadella mencionou sua visão para o futuro da rede social, garantindo a Jeff Weiner que o LinkedIn continuaria a operar de maneira independente, assim como o WhatsApp, do Facebook, ou o YouTube, pertencente ao Google.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    Máximo 700 caracteres [0]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.