i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Mercado

Moody´s: Brasil terá entrada forte de capital até 2010

  • PorAgência Estado
  • 20/10/2009 10:39

O vice-presidente sênior da Moody´s para América Latina, Mauro Leos, um dos responsáveis pela recente concessão do investment grade pela agência ao Brasil, afirmou que o Brasil "terá que aprender a conviver com entrada forte de capitais estrangeiros até final de 2010". Segundo ele, a boa recuperação da economia brasileira a partir do segundo trimestre, após os efeitos da crise internacional, despertou muita atenção de instituições financeiras e fundos que estão interessados em aplicar capitais no País. "O Brasil está no topo das atenções dos investidores mundiais", afirmou.

"O interesse no País é geral. Ocorre com quem já conhece e aplica recursos no País e também com aqueles que ainda não investem, mas estão bem interessados em fazê-lo", comentou. Mauro Leos destacou quais são os fatores que estão atraindo o interesse de instituições financeiras com mais vigor recentemente em relação ao Brasil. Um dos principais é o retorno obtido no País, seja em renda fixa ou renda variável. A taxa real de juros (descontada a inflação) está perto de 5,4%, que é bem acima do patamar negativo registrado em vários países desenvolvidos, entre eles, os Estados Unidos e o Japão.

Por outro lado, o Brasil já apresenta um bom nível de "previsibilidade" na condução da política econômica, pois ela está sendo mantida por vários anos sem alterar seu tripé básico que é o regime de metas de inflação, o câmbio flutuante e rigor fiscal. Sobre se ele está preocupado com as perspectivas das contas públicas para os próximos trimestres, Leos disse que "o fato de termos concedido o grau de investimento, com perspectiva positiva, não indica que estamos preocupados com o desempenho fiscal do País", observou. "Acreditamos no compromisso do governo de continuar administrando a situação fiscal de forma eficaz."

O analista manifestou que há alguns pontos que chama a atenção relacionados aos gastos correntes, mas ele ponderou que a situação fiscal deve melhorar no próximo ano, com o crescimento mais sensível do PIB e decorrente da maior expansão da arrecadação de tributos das empresas.

Leos disse que não acredita na eficácia da adoção do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) de 2% sobre capitais que ingressam no País vindos do exterior e que têm como direção ativos na Bolsa de Valores e em renda fixa. Ele ressaltou que o ingresso de capitais é um reflexo das boas condições econômicas, em comparação aos principais mercados emergentes. Leos destacou que em algumas nações que registraram entrada de recursos internacionais robustas, geralmente, foram adotadas medidas fiscais e monetárias.

Ele, contudo, não quis fazer nenhum tipo de recomendação de eventuais ações que o Banco Central e o Ministério da Fazenda poderiam adotar para coibir a perspectiva de valorização do câmbio. "Quem decide sobre juros é o Copom e não posso também falar sobre questões fiscais no Brasil." Leos concedeu entrevista após um seminário promovido pela Moody´s para analistas e empresários em São Paulo.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.