i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
RETALIAÇÃO

Negociação com EUA sobre algodão continua, diz Barral

  • PorAgência Estado
  • 12/03/2010 10:16

O secretário de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Welber Barral, disse hoje acreditar que as negociações entre Brasil e EUA, sobre a contraproposta referente às retaliações ligadas ao caso do algodão, ainda não estejam encerradas. "Há possibilidade de negociação, mas, neste momento, a iniciativa tem de partir dos EUA", afirmou.

De acordo com Barral, o Brasil disse o que quer, que é a retirada dos subsídios à produção e exportação do algodão, conforme determinou a Organização Mundial do Comércio (OMC). Esta semana, o governo publicou no Diário Oficial da União a lista de 102 produtos que terão alíquota do Imposto de Importação (II) elevada para as compras dos EUA.

O impacto comercial é estimado em US$ 591 milhões, maior que o valor autorizado pela OMC para o setor de bens. O Brasil deverá ainda apresentar uma série de retaliações na área de propriedade intelectual e de serviços, denominadas retaliações cruzadas.

O ex-embaixador do Brasil em Washington Roberto Abdenur, que atualmente é consultor da Câmara Americana de Comércio (Amcham), disse que está otimista de que o lado americano apresentará uma contraproposta. Segundo Abdenur, uma nova delegação americana deverá vir ao Brasil nos próximos dias para apresentar ideias e negociar uma solução.

De acordo com Abdenur, o Congresso americano tem poderes amplos sobre a política comercial dos EUA. Com os reflexos da crise financeira internacional, o caráter protecionista das decisões tem prevalecido. "Não há hipótese de que o Congresso americano se mova em relação à Rodada Doha ou a acordos bilaterais de livre comércio.

No entanto, Abdenur aponta que a lei agrícola americana - a Farm Bill -, que prevê políticas de financiamentos e subsídios à produção, deverá ser revista em 2012. "A expectativa é de que o governo dos EUA sugira ao Congresso a eliminação gradual dos subsídios do algodão", afirmou. Antes disso, porém, o Brasil vai querer satisfações sobre o assunto.

O ex-embaixador do Brasil nos EUA sugeriu que, nestas compensações, esteja incluído o aumento das cotas de produtos que possam afetar o mercado americano. Barral e Abdenur participaram hoje de um evento promovido pela Câmara Americana de Comércio de Belo Horizonte.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.