i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Comércio internacional

Negociadores alertam sobre lacunas na Rodada Doha

Ainda é necessário acordo que dê acesso real dos países exportadores a outros mercados

  • PorReuters
  • 08/03/2011 13:51

Consideráveis lacunas permanecem nas discussões sobre um novo acordo comercial global, e os países envolvidos precisam redobrar seus esforços para ter qualquer esperança de concluí-las até o final do ano, disseram diplomatas na terça-feira (8).

Durante uma reunião da Organização Mundial do Comércio (OMC) para avaliar o andamento das negociações da Rodada Doha, iniciada há dez anos, muitos países disseram que há avanços a respeito das questões técnicas, mas que ainda é necessário um acordo que gere acesso real dos exportadores para outros mercados.

'Nós não temos um problema de processo, temos um problema de fundo,' disse o embaixador do Brasil na OMC, Roberto Azevedo, a repórteres após a reunião. 'O fato é que temos uma lacuna muito grande nas negociações.'

O embaixador dos EUA, Michael Punke disse na reunião que havia visto sinais encorajadores na forma como os governos se envolveram nas negociações, mas consideráveis diferenças persistem.

A poucos meses do final do prazo estabelecido para a conclusão do processo, os negociações precisam ser criativos e buscarem um acordo que seja razoável, mesmo que imperfeito, disse Punke. 'O fim do jogo é agora, de um jeito ou de outro.'

O norte-americano disse a jornalistas que a chave para um acordo está nas mãos das grandes economias emergentes, como Brasil, China e Índia, que deveriam assumir responsabilidades proporcionais ao seu tamanho e crescimento e abrir seus mercados de forma compatível.

Os EUA querem, por exemplo, que as economias emergentes subscrevam acordos voluntários para a eliminação ou redução drástica de tarifas em determinados setores industriais, paralelamente a um eventual corte geral nas tarifas de importação.

Mas Azevedo disse que tais exigências na prática significam que o Brasil deveria fazer cortes mais profundos do que aquilo que já foi decidido em princípio. Os cortes gerais de tarifas, e não os acordos setoriais, deveriam ser o foco das negociações, segundo ele. 'Se essa visão prevalecer, então não estamos entrando na parte final do jogo; estamos chegando ao próprio fim do jogo.'

Tensões Cambiais

O Brasil tem sido até agora um dos principais defensores de um acordo, mas as autoridades brasileiras relutam em ceder à pressão dos EUA por um maior acesso ao mercado brasileiro, especialmente porque a balança comercial bilateral passou de um superávit de 6,9 bilhões de dólares a favor do Brasil em 2006 para um déficit de 10,2 bilhões no ano passado, devido à valorização do real em relação ao dólar.

Os líderes do G20 querem que os 153 países da OMC concluam até o final do ano as negociações da Rodada Doha, iniciada em 2001 com a intenção de liberalizar o comércio global e contribuir com a prosperidade dos países pobres por meio do comércio.

As bases do acordo estão claras: os países ricos deveriam reduzir subsídios e tarifas agrícolas, enquanto as economias emergentes teriam de abrir seus mercados para bens industriais, e ambos os lados liberalizariam os setores de serviços. Os países mais pobres não precisariam fazer concessões.

Mas muitos diplomatas e negociadores comerciais dizem que o processo entrará em colapso ou perderá a força se nenhum acordo for alcançado este ano. Pascal Lamy, diretor-geral da OMC, afirmou no encontro que há avanços nas negociações em todas as áreas e em todos os níveis. 'No entanto, não devemos nos enganar. Os países membros estão muito timidamente envolvidos nos 'toma lá, dá cá'. Nosso atual processo - em todos os níveis -continua lento demais.'

Os países integrantes da OMC se comprometeram em apresentar até o final de abril textos-base para nove áreas de negociações, reduzindo as lacunas existentes e adotando posições comuns pela primeira vez.

Esses documentos são uma pré-condição para um esboço de acordo até julho, permitindo que um detalhamento das propostas seja concluído até o final do ano.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.