110048

Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Economia
  3. Netflix fecha 2018 com recorde de assinantes e promessa de alta de preços para compensar receita

streaming

Netflix fecha 2018 com recorde de assinantes e promessa de alta de preços para compensar receita

A empresa fechou o ano passado com 139 milhões de assinantes no mundo, dos quais 29 milhões foram conquistados em 2018

  • Redação com Folhapress e Washington Post
 | Gabby Jones/Bloomberg
Gabby Jones/Bloomberg
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

A Netflix superou sua estimativa de crescimento e adicionou 8,8 milhões de assinantes ao serviço de streaming no último trimestre de 2018, um aumento de 33% em relação ao mesmo período do ano anterior, informou a companhia em relatório divulgado nesta quinta-feira (17). A expectativa era de 7,3 milhões de novos assinantes nos últimos três meses de 2018. Com isso, a empresa fechou o ano passado com 139 milhões de assinantes no mundo, dos quais 29 milhões foram conquistados em 2018. Mesmo assim, as ações fecharam o dia com queda de 0,64% e, nas negociações posteriores ao fechamento do mercado, caíram 4%. É que a receita cresceu menos do que o esperado por analistas.

A receita cresceu 27% em relação ao ano anterior, para US$ 4,19 bilhões, menos do que os US$ 4,21 bilhões aguardados pelos analistas. O lucro caiu para US$ 134 milhões, queda de 28% em relação aos US$ 186 milhões.

LEIA TAMBÉM: O que está por trás da briga entre BMG e Crefisa no patrocínio de times de futebol

Considerado o acumulado de 2019, no entanto, o preço das ações das companhia cresceram 25%, graças às perspectivas futuras da companhia e à notícia de que o serviço terá aumento no Estados Unidos e que a companhia vai promover reajustes entre 13 e 18 pontos percentuais nas praças onde atua. No Brasil, a assinatura segue com o mesmo valor. Muitos analistas de Wall Street aprovaram esse movimento dos preços, dizendo acreditar que isso aumentaria a receita da Netflix sem causar uma desaceleração nas adições de assinantes.

A companhia alega que a correção dos preços no quintal de casa, e que vem após aumentos no Canadá, Argentina e Japão, foi necessária para seguir com os investimentos em produções próprias. O plano básico passará de cerca de US$ 11 para US$ 13 nos Estados Unidos.  “Mudamos os preços de tempo em tempo para continuar investimento em bom entretenimento e melhorando a experiência da Netflix”, disse em relatório financeiro.

LEIA TAMBÉM: Facebook pode usar #10yearchalleng para treinar inteligência artificial

A maior parte dos novos usuários do último trimestre do ano passado veio de fora dos Estados Unidos (7,3 milhões), um crescimento de 42%, mas a empresa também cresceu no mercado doméstico, com 1,5 milhão de assinantes americanos, o que atendeu ao que era esperado. Para o primeiro trimestre de 2019, a empresa americana projeta 8,9 milhões de novos assinantes, 8% de crescimento no comparativo anual.

Para garantir a manutenção de clientes e novas assinaturas, a Netflix aposta em conteúdos originais. Em breve, terá concorrentes de streaming como WarnerMedia, da AT&T, e Walt Disney.

Entre os destaques estão o filme Bird Box, com a atriz Sandra Bullock e direção de Susanne Bier, que a companhia estima que seja assistido em em 80 milhões de casas, e Roma, filme de Alfonso Cuarón. A produção em língua espanhola é importante para o público de fora dos Estados Unidos.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

O jornalismo da Gazeta depende do seu apoio.    

Por apenas R$ 0,99 no 1º mês você tem
  • Acesso ilimitado
  • Notificações das principais notícias
  • Newsletter com os fatos e análises
  • O melhor time de colunistas do Brasil
  • Vídeos, infográficos e podcasts.
Já é assinante? Clique aqui.
>