Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Caro usuário, por favor clique aqui e refaça seu login para aproveitar uma navegação ainda melhor em nosso portal. FECHAR
PUBLICIDADE

E-commerce

Encomendas da China geram prejuízo de R$ 1 bilhão por ano aos Correios, diz presidente

Guilherme Campos, presidente dos Correios, critica o modelo de frete grátis adotado por lojas chinesas e diz que ele sobrecarrega a logística do lado brasileiro, gerando atrasos e extravios

  • Da redação
Logo dos Correios em agência. | Marcelo Andrade/Gazeta do Povo
Logo dos Correios em agência. Marcelo Andrade/Gazeta do Povo
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Os Correios passam por uma crise. De um lado, a estatal lida com e-commerces, como Mercado Livre e Netshoes, lançando campanhas contrárias ao recente aumento no frete de encomendas; de outro, com a fúria dos consumidores finais, insatisfeitos com os atrasos e extravios. Segundo Guilherme Campos, presidente dos Correios, parte do problema nasce no outro lado do mundo — nas encomendas de lojas chinesas.

Segundo Campos, os Correios acabam subsidiando fornecedores chineses em cerca de R$ 1 bilhão por ano.

LEIA TAMBÉM: Correios desafiam paciência do brasileiro com atrasos, reajustes, prejuízo e greve

Para o consumidor brasileiro, o frete ao comprar em lojas chinesas como AliExpress, Gearbest e DealExtreme não tem custo, mas, alegam os Correios, essa gratuidade seria fruto de uma manobra que onera a parte logística brasileira. Essa manobra seria a contratação de serviços postais baratos, que carecem de código de rastreamento e tornam impossível fazer o acompanhamento dos pedidos.

Além disso, disse Campos em entrevista à edição do fim de semana do jornal Valor Econômico, os chineses usam etiquetas fora do padrão internacional, o que obriga o processamento manual das encomendas que chegam do outro lado do mundo. Como não é pouca coisa — cerca de 300 mil volumes por dia —, essa falha causa lentidão e aumento nos custos.

O prejuízo causado pelas encomendas chinesas, tanto de pequenos comerciantes que importam em lote — e formam um “camelô eletrônico”, nas palavras do presidente dos Correios — quanto pessoas físicas, chega a 6% de toda a receita dos Correios em 2017, ou R$ 1 bilhão por ano. Campos alega que, se as encomendas registradas fossem postadas corretamente pelos chineses, os Correios receberiam cinco vezes para realizar o processamento e entrega de cada volume.

COMO FAZER: A compra da China não chegou ou tem defeito? Veja como resolver problemas com entregas

Todas essas desavenças com lojas e serviços postais chineses impactam diretamente o serviço de entrega dos Correios no Brasil. O tempo que um volume leva para chegar à casa do consumidor após ele chegar ao país, segundo os próprios Correios, pode levar até 90 dias.

Nos últimos três anos, os Correios acumularam prejuízo de R$ 6 bilhões, tiveram uma redução de 13,6% no quadro de funcionários desde 2013 (de 130 mil para 108 mil) e, só em 2017 e no começo de 2018, a Federação Nacional dos Trabalhadores nos Correios (Fentect) organizou três greves, uma delas deflagrada no último domingo (11).

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Economia

PUBLICIDADE