i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
novo ramo

Entrega de comida começa a ser o principal serviço da Uber em alguns países

Em Tóquio, Taipei e Seul, o UberEats supera, às vezes, o principal negócio da Uber, que são as caronas compartilhadas

    • New York Times
    • 15/10/2017 13:00
    Escritório da UberEATS, em San Francisco, nos Estados Unidos | Chridtie Hemm Klok/NYT
    Escritório da UberEATS, em San Francisco, nos Estados Unidos| Foto: Chridtie Hemm Klok/NYT

    Durante anos, Bob Gordon, 46 anos, proprietário do Footprints Cafe de Nova York, cuidou das entregas de seus pratos a seus cliente. Mas, quando decidiu usar um serviço terceirizado de entrega – o UberEats, de propriedade da Uber, a gigante das caronas compartilhadas –, sentiu certa inquietação. “Não estávamos preparados para o volume que recebemos através do UberEats neste ano. Eu, que sou o dono, tive que trabalhar três semanas direto na cozinha para conseguir atender a todos.” 

    LEIA MAIS: Dicas para você usar melhor o aplicativo da Uber

    Ao conquistar proprietários como Gordon, a Uber cresceu no ultracompetitivo setor de entrega de comida. Agora, seu novo executivo-chefe, Dara Khosrowshahi, e os demais executivos da empresa acreditam que o UberEats vai gerar um crescimento enorme. Mesmo em um momento em que Khosrowshahi lida com questões como a perda da licença de funcionamento do Uber em Londres, ele disse que o UberEats está sendo uma “surpresa maravilhosa”. 

    O serviço de entregas se destaca entre os negócios da empresa, que crescem rapidamente, mas que não geram lucros necessariamente. Disponível em mais de 120 mercados globalmente, supera, às vezes, o principal negócio da Uber, que são as caronas compartilhadas, em mercados como Tóquio, Taipei, em Taiwan, e Seul, na Coreia do Sul. O número de viagens feitas pelos condutores do UberEats cresceu mais de 24 vezes entre março de 2016 e março de 2017; em julho, já era rentável em 27 das 108 cidades onde opera. 

    “Há uma tendência global no setor de entregas. Como todos usam o celular cada vez mais, começamos a ver uma grande mudança no modo em que as pessoas comem”, disse Jason Droege, vice-presidente da UberEverything, divisão responsável pelo UberEats. 

    O bilionário setor de entrega de comidas

    Sam Dogson/NYT

    O Uber chegou tarde ao setor de entrega de comida, que é um mercado de mais de US$ 100 bilhões, ou cerca de um por cento do mercado total de alimentos, de acordo com um estudo da McKinsey. Normalmente, as empresas de entrega de refeições se encaixam em duas categorias: a primeira é a das agregadoras, como o Grubhub, que coletam as opções de restaurantes e cardápios através de um portal on-line para os clientes, e as entregas são normalmente feitas pelos próprios restaurantes. 

    A segunda, como o Postmates e o UberEats, faz a entrega propriamente dita após receber os pedidos através de um portal on-line. Os restaurantes geralmente pagam uma porcentagem fixa do valor de um pedido; os clientes também pagam uma taxa para o serviço de entrega. 

    A competição é dura. O Postmates, que começou a funcionar há seis anos, levantou mais de US$ 250 milhões, tem mais de cem mil entregadores e faz 2,5 milhões de entregas por mês. O Grubhub, que é uma empresa pública, arrecadou US$ 3 bilhões em vendas de comida em 2016, e tem uma base ativa de 8,17 milhões de clientes. 

    Há também a ameaça da Amazon, que tenta entregar comida em alguns mercados. Sua recente aquisição do Whole Foods garante centenas de bases para que os motoristas peguem o prato preparado para entrega em grandes áreas urbanas, onde esses pedidos são mais populares. 

    “A preocupação número um de todas essas empresas de entrega é a Amazon. Como ela poderia usar sua rede para acabar com nosso negócio? Tem a rede logística e o balanço financeiro para poder competir no preço com todas essas outras empresas”, disse James Cakmak, analista da firma de pesquisa de equidade Monness, Crespi, Hardt e Co., que segue o setor. 

    Matt Maloney, fundador e diretor-executivo do Grubhub, disse que seu foco nos pedidos de comida diferencia seu negócio. “A Uber construiu uma grande empresa focada em serviços de transporte de pessoas, mas o sucesso na entrega de comida é outra história. Somos conhecidos por uma coisa só – os pedidos – e desenvolvemos todo nosso produto em torno desse propósito”, disse Maloney em um comunicado. 

    UberEats decolou a partir de 2015

    A Uber começou a se interessar pela entrega de comida em Los Angeles, em 2014, sob o nome UberFresh, oferecendo refeições pré-embaladas de restaurantes. Fez também experimentos com o UberEssentials, uma maneira de entregar rapidamente compras de supermercado e farmácia. “Se você pode apertar um botão e conseguir um carro em poucos minutos, o que mais poderia conseguir?” disse Droege. 

    Mas a situação não era ideal, pois os motoristas geralmente transportam a comida em um recipiente seguro no porta-malas. Isso gerou problemas com a qualidade dos alimentos, e os clientes não ficavam satisfeitos quando o prato chegava frio. As pessoas também queriam uma seleção de restaurantes maior, algo que concorrentes como o Postmates forneciam. 

    Em dezembro de 2015, a divisão de Droege introduziu um aplicativo separado, o UberEats, em Toronto, trabalhando com restaurantes para fornecer refeições recém-preparadas que pudessem ser encomendadas pelo smartphone. O serviço decolou, e no ano e meio seguinte expandiu sua capacidade de venda para incluir mais restaurantes e funcionar em mais cidades. 

    Os executivos da Uber disseram que o UberEats, que está agora em mais de 120 cidades, tem várias vantagens sobre a concorrência. Por um lado, o grupo tem uma rede de mais de dois milhões de motoristas que também podem entregar comida. Os carros usados para esse serviço também não precisam passar pelos padrões de inspeção necessários para transportar passageiros, ampliando a potencial mão de obra das entregas. (Nem é preciso possui um carro; o UberBike é um método popular para esse tipo de entrega.) 

    A Uber também passou quase dez anos mapeando cidades e encontrando rotas mais eficientes, o que, segundo a empresa, pode ajudar a diminuir o tempo de entrega. E, desde os problemas com o UberFresh, tem investido na melhoria tecnológica e acrescentou mais motoristas em cidades participantes. O ideal do UberEats é quando o motorista chega ao restaurante assim que a comida acaba de ser preparada, e a entrega ao cliente enquanto ainda está quente. 

    A Uber também adotou a abordagem de parceria para acelerar o crescimento do UberEats, reproduzindo a estratégia de empresas como o Postmates. A empresa fechou um acordo com o McDonald-s este ano para fazer a entrega de milhares de seus restaurantes. Lucy Brady, executiva da rede de fast-food, disse a possíveis investidores em julho que os primeiros resultados da parceria foram positivos. 

    O serviço tropeça às vezes, inclusive no mês passado, quando um anúncio na Índia – que dizia para os maridos usarem o UberEats para que suas esposas pudessem tirar uma folga da cozinha –, foi criticado por ser machista. A empresa se desculpou. 

    A Uber disse estar investindo no aumento da força de vendas do UberEats, além da contratação de cientistas para analisar informações diárias sobre os pedidos e preferências de clientes para ajudar os restaurantes a melhorar seus serviços ou a promover seus pratos mais populares. 

    Para Gordon, o dono do Footprints Cafe, os investimentos da Uber são ótimos para os negócios. Ele disse que o serviço de entrega havia ajudado seu restaurante a chegar a novos clientes, indo além da comunidade caribenha, sem gastar em publicidade nem em promoções no Facebook ou no Groupon, como fazia no passado. “Usamos pessoas que trabalham só com entregas da Uber, e temos um balcão apenas para seus motoristas. Definitivamente, vale a pena”, disse Gordon. 

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    Máximo 700 caracteres [0]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.