Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Economia
  3. Nova Economia
  4. Tecnologia que elimina intermediários em transações financeiras entra em fase de experimentação

Blockchain

Tecnologia que elimina intermediários em transações financeiras entra em fase de experimentação

Bancos e startups já estão fazendo testes e criando protótipos usando a tecnologia que promete transparência e confiança nas relações comerciais

  • Estadão Conteúdo
Blockchain, tecnologia que elimina intermediários em transações financeiras, entra em fase de experimentação | NeuPaddy/Flickr
Blockchain, tecnologia que elimina intermediários em transações financeiras, entra em fase de experimentação NeuPaddy/Flickr
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Os aplicativos de carona paga se popularizaram nos últimos anos por conseguir uma proeza impensável: convencer as pessoas a entrarem no carro de um completo desconhecido, que não é motorista profissional. Ao intermediar a relação entre motoristas e passageiros, os apps ganharam a “confiança” dos usuários. E, embora ainda tenham dificuldade em lucrar, conseguem um faturamento impressionante - a Uber, por exemplo, gerou US$ 2,9 bilhões em receita no último trimestre de 2016 e está avaliada em US$ 69 bilhões.

O negócio é sólido, mas não está imune à uma revolução tecnológica que promete transformar as relações entre pessoas e empresas na internet. Chamada de blockchain, a tecnologia é denominada por especialistas de “protocolo da confiança “, pois faz uso de uma rede global de dispositivos para validar e registrar todo tipo de transação de forma rápida e segura. Na prática, ela elimina a necessidade de um intermediário, um terceiro que valide uma transação.

Prepare-se: a tecnologia pode levar a um futuro sem bancos e cartórios

LEIA MAIS notícias de negócios e tecnologia

“É como uma grande planilha em branco que é processada em milhões de computadores ao redor do mundo”, disse o escritor canadense Don Tapscott, autor do livro Blockchain Revolution (Editora Senai-SP) no Brasil. “Ela permite guardar, vender, gerenciar e proteger bens digitais.”

Embora seja objeto de pesquisa há mais de duas décadas, a blockchain só se tornou relevante com o lançamento da moeda virtual Bitcoin, em 2009. Foi a primeira vez na história que as pessoas puderam fazer transações com dinheiro pela web sem passar por intermediários, como bancos. Ver uma aplicação prática da blockchain aguçou a imaginação de desenvolvedores.

Protótipo

Após um longo período de desconfiança, os bancos começaram a tentar entender o papel da tecnologia no sistema financeiro. Em 2015, diversas instituições globais se juntaram para criar o R3, um consórcio global para desenvolver um sistema baseado na blockchain, fechado para bancos.

No Brasil, bancos pesquisam a blockchain de forma independente há alguns anos. Em agosto do ano passado, porém, a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) criou um grupo de estudo sobre blockchain que inclui Bradesco, Banco do Brasil, Caixa, Itaú e Santander, entre outros. A bolsa de valores B3 e o Banco Central participam.

De forma colaborativa, eles desenvolveram o primeiro protótipo de uma blockchain para transações financeiras: numa rede distribuída, que só os bancos e o Banco Central podem acessar, eles compartilham dados fictícios de clientes e testam aplicações. “A descentralização e o registro imutável de informações podem permitir a criação de novos modelos de negócio”, diz o coordenador do grupo de trabalho de blockchain da Febraban, Adílson Fernandes da Conceição.

O protótipo será apresentado publicamente pela primeira vez na próxima quinta-feira, 27, em São Paulo. Uma segunda versão, com novos recursos, está prevista para o final de maio.

Certidão digital

Enquanto os bancos avançam com cautela, inúmeros experimentos com blockchain ocorrem em outros segmentos. Há quem aposte que a tecnologia está no centro do “cartório do futuro”. É o caso da startup OriginalMy, fundada no início de 2015. Ela registra contratos e criações originais na blockchain, assim como registra eventos - de nascimentos a casamentos.

“Em vez de ir a um cartório para legitimar um acordo entre as partes”, diz o professor da Escola de Administração da Fundação Getúlio Vargas (FGV-SP), Alberto Luiz Albertin, “podemos usar a tecnologia como intermediária para criar um contrato inviolável.”

A startup A Star Labs lançou recentemente um serviço de registro de diplomas. Para isso, uma instituição de ensino precisa enviar o certificado, que é assinado digitalmente e ganha um identificador único. “O empregador consegue verificar na blockchain se aquele documento é original”, explica o desenvolvedor de negócios da A Star e pesquisador do Instituto de Tecnologia e Sociedade (ITS-Rio), Gabriel Aleixo.

A blockchain também tem sido usada para facilitar a participação política. No Rio, o ITS, que é uma associação sem fins lucrativos, lançou no fim de março o aplicativo Mudamos, uma espécie de abaixo assinado digital. O objetivo é coletar assinaturas para projetos de lei de iniciativa popular.

A diferença do Mudamos em relação a outras plataformas está no uso de criptografia e de blockchain para garantir a validade jurídica das assinaturas. “É como se a gente registrasse uma lista feita à mão todos os dias na blockchain”, explica o coordenador de projetos do ITS-Rio, Marco Konopacki. “Como a lista é imutável, ninguém pode dizer que houve fraude.” Até agora, o Mudamos já foi baixado mais de 230 mil vezes no iOS e no Android.

Desafios

As possibilidades da blockchain são inúmeras - os desafios também. O primeiro, e talvez o maior, está na falta de conhecimento. Além de dificultar o acesso de usuários domésticos aos serviços, o desconhecimento pode levar a tentativas drásticas de regulação, o que poderia frear a inovação.

Ainda assim, para os especialistas, a blockchain aponta para um caminho sem volta. “Há uma demanda por descentralização em cada vez mais setores da sociedade”, diz Aleixo. “Esses princípios vão guiar a criação de serviços mais diretos, baratos e democráticos.”

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE