i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Vida digital

Número de "viciados em smartphones" aumenta 123% e chega a 176 milhões de pessoas no mundo

Um estudo divulgado em abril estabelece que um viciado em dispositivos móveis é aquele que abre aplicativos mais de 60 vezes por dia

  • PorEfe
  • 11/07/2014 11:25
Entre março de 2013 e março de 2014 o número mundial de viciados em smartphones subiu 123% para 176 milhões de pessoas | Harrison McClary/Reuters.
Entre março de 2013 e março de 2014 o número mundial de viciados em smartphones subiu 123% para 176 milhões de pessoas| Foto: Harrison McClary/Reuters.

No final de 2013, Kevin Holesh e sua noiva se mudaram para viver juntos em Pittsburgh, na Pensilvânia (EUA). Um passo importante em uma relação de oito anos que no início não saiu tão bem como esperavam por culpa da dependência dos dois aos smartphones.

O caso deles está longe de ser raro. A dependência do smartphone se transformou em algo habitual na sociedade moderna, onde um usuário checa em média seu aparelho 150 vezes ao dia, segundo o estatístico Tomi Ahonen, e o número de "viciados" disparou 123% no último ano, conforme a empresa de consultoria Flurry Analytics.

"Eu passava o tempo no Twitter e ela no Instagram, sempre olhando fotos. Não é que nos distanciássemos, mas cada vez estávamos mais distraídos. O iPhone tinha grande parte de culpa. Estava intrometendo em nossa vida em comum", explicou Holesh, que decidiu fazer algo sobre o assunto.

Para este desenvolvedor de software de 45 anos, o telefone é uma ferramenta laboral, e por isso, em vez de se desfazer dele, optou por projetar um aplicativo que o ajudasse a racionalizar seu uso. Assim nasceu o app Moment, disponível por US$ 3,99 na iTunes Store.

O Moment registra o tempo diário de uso do telefone e permite estabelecer limites que servem para que o usuário se conscientize que está abusando do aparelho.

Holesh conseguiu diminuir pela metade o tempo diário que passa no smartphone, que agora ronda os 40 minutos, o que melhorou sua relação com a noiva. Ele confessa, porém, que os dois ainda não conseguiram "erradicar a dependência".

Um estudo divulgado em abril, realizado pela Flurry Analytics, estabeleceu que um viciado em dispositivos móveis (tablets e telefones) é aquela pessoa que abre aplicativos mais de 60 vezes por dia - mais de seis vezes do que um consumidor médio.

Entre março de 2013 e março de 2014 o número mundial de viciados subiu 123% para 176 milhões de pessoas, e tudo aponta que o número continuará aumentando enquanto os smartphones continuarem proliferando.

"Nomofobia"

Nos Estados Unidos, 60% dos adultos têm um smartphone, segundo um relatório de janeiro da Pew Research Center, bem maior que a proporção mundial, que não chega aos 20%.

As companhias do setor têm trabalhado muito para reduzir essa diferença com dispositivos menos de ponta, mas mais baratos, que caibam em qualquer bolso.

O papel cada vez mais transcendente que o telefone tem como ferramenta de interação social, e principal fonte de acesso à internet para um terço dos americanos, criou situações obsessivas de dependência.

Uma pesquisa realizada nos EUA em 2012 pela tecnológica Lookout mostrou que 58% dos proprietários de um smartphone não ficam nem uma hora sem dar uma olhadinha no telefone e 73% admitiram sentir pânico diante da ideia de não saber onde está seu aparelho.

Essa ansiedade foi batizada de "nomofobia" e, em maio, psicólogos da Universidade de Gênova, na Itália, pediram formalmente que fosse incluída como uma patologia no manual de diagnósticos de transtornos mentais DSM-V.

Os proponentes argumentam que este mal tem características de epidemia. Os pesquisadores descreveram casos nos EUA, na Europa e na Índia, e explicaram que atualmente há um número limitado de tratamentos que combinam psicoterapia e medicação.

Aplicativos como o desenvolvido por Kevin Holesh poderiam ter um papel preventivo ao estabelecer limites à overdose de dispositivos móveis.

O Moment só existe para o iOS, mas usuários do Google Android têm alternativas como Breakfree, que pontua o grau de dependência, Offtime, que ajuda a programar os tempos de desconexão, e Menthal, que serve para medir o uso dado ao telefone.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.