i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Inovação

Era dos pagamentos instantâneos chega em 2020 para ampliar competitividade

  • PorCristina Seciuk
  • 11/09/2019 20:03
Na era dos pagamentos instantâneos, o smartphone terá papel central para o consumidor (Foto: Pixabay)
Na era dos pagamentos instantâneos, o smartphone terá papel central para o consumidor (Foto: Pixabay)| Foto:

Um dia a dia sem dinheiro vivo e sem os riscos de segurança associados a ele. É o que se vislumbra, no longo prazo, a partir da operação de uma rede aberta e ampla de pagamentos instantâneos no país, na qual bastará o uso de um smartphone e de QR Codes para fazer quaisquer quantias mudarem de lugar na mesma hora. Em processo de discussões e de elaboração do seu funcionamento desde 2018, a plataforma deve ser lançada em novembro do ano que vem, data proposta pelo Banco Central para se iniciar uma primeira fase de transações.

Caberá ao BC fazer a administração e desenvolver a base de dados para esse sistema de pagamentos instantâneos, que são entendidos como transferências eletrônicas nas quais a transmissão da mensagem de pagamento e a disponibilidade dos fundos para o recebedor acontecem em tempo real. A lógica é similar à velha conhecida Transferência Eletrônica Disponível, que é efetuada entre bancos, mas -diferente da TED- a operação não ficaria limitada a horários: a ideia é ter serviço disponível 24 horas por dia, sete dias por semana, inclusive nos feriados.

Outro objetivo da novidade é a construção, de fato, de um ecossistema de pagamentos, o que significa a integração de mais gente do que apenas os bancos como operadores das transações monetárias. "O que a gente percebe de muito interessante no caso do Brasil é que essa rede pretende interligar não só instituições financeiras (os bancos, as cooperativas), mas ela praticamente abre para qualquer empresa", avalia Alexandre Pinto, diretor de novos negócios da Matera, empresa de tecnologia voltada ao mercado financeiro, varejo e gestão de riscos.

Nesse cenário, "[o fornecedor do serviço de pagamento instantâneo] pode ser um banco, lógico, mas pode ser um varejista, pode ser uma empresa de tecnologia, as fintechs, pode ser uma concessionária de serviços, energia, telecomunicações; é uma rede aberta para vários players", enumera ele.

Na prática, as perspectivas são de mais competitividade e, consequentemente, de preços menos salgados para os usuários, conforme os objetivos explicitados pelo próprio Banco Central. Dentre as lacunas que se pretende resolver com o instrumento, diz-se que "as transferências eletrônicas interbancárias de crédito, como a TED e o DOC, estão longe do seu potencial de utilização, principalmente por causa das tarifas elevadas para essas operações".

Novos ares

Tratados pelo BC como a inovação que pode oxigenar o ambiente, os pagamentos instantâneos devem reduzir a fila de intermediários, mas ainda demandarão a existência de contas transacionais, afinal o dinheiro tem que sair de um lugar para ser destinado a outro, mas essas contas não precisarão mais ser atreladas ao sistema financeiro tradicionais nos mais diversos tipos de relação - seja P2P, B2C ou B2B (ponto a ponto, negócio-consumidor ou negócio a negócio).

O que deve ocorrer é uma relação mais direta, menos burocrática e que reduza custos também para o recebedor. "A gente tem um cliente [na Matera] que emite 100 mil boletos por semana. Numa rede de pagamento instantâneo, ele poderia mandar uma notificação via aplicativo, um SMS, a pessoa autorizaria o pagamento e está pago. Então, ele "mata" só nessa brincadeira o custo de quase 500 mil boletos ao mês que pagaria ao banco", exemplifica Alexandre Pinto.

Do jeito que a banda toca hoje, o varejo também se beneficiaria com menos custos, na avaliação do especialista. "Um varejista recebe hoje principalmente por cartão, débito ou crédito e paga taxação por isso. Nós estamos falando de uma taxa por transação de 1,5% ou 2,5%; recebe em 30 dias normalmente; se ele quiser antecipar vai ter que pagar mais uma taxa. Isso é muito pesado", avalia, "então ele vai ter um incentivo muito grande para se conectar nessa rede diretamente ou via um parceiro de tecnologia", acredita.

Em construção

Para alcançar os resultados desejados, é imprescindível que a rede brasileira de pagamentos instantâneos ganhe escala, o que vai depender da ampla adesão dos interessados nas duas pontas (pagadores/recebedores e a potencial rede de prestadores do serviço). O interesse, entretanto, dependerá de quais serão os moldes da operação, que ainda estão em fase de elaboração pelo Banco Central acompanhado de diversas outras instituições, por meio de fórum específico.

Essas especificações do ecossistema estão na terceira versão (divulgada agora em setembro), mas as discussões não estão encerradas. Seguem sendo desenhados padrões de conectividade e comunicação de dados, criptografia, fluxos de efetivação dos pagamentos entre diversos outros itens para a que se alcance competitividade a partir das regras do segmento, de acordo com o BC.

Mesmo que sem regulamentação concluída, diversas empresas começam a apostar em soluções que flertam mais ou menos abertamente com o novo ambiente. Apenas para citar duas movimentações, a AmbeV já anunciou que está montando uma fintech para se relacionar com compradores e o Itaú lançou neste ano o iti, que se antecipa à plataforma geral que deve surgir a partir de 2020.

6 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 6 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • M

    Mauricio Simões

    ± 3 dias

    Num país de ladrões, será a redenção da bandidagem. Ao invés de levarem o dinheiro que você carregaria na carteira, vão te forçar a fazer uma transferência de valor muito maior. A indústria do sequestro-relâmpago receberá um grande incentivo. Só quem nunca passou por isso para não perceber o perigo.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • A

      Ana Cristina

      ± 1 minutos

      E o que impede que a "indústria do sequestro-relâmpago" não faça isso hoje? Bandido sempre existiu e sempre existirá.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • T

    tamotsu kashino

    ± 3 dias

    Esta sistema, já estão em vigor nos paises desenvolvidos, porém cá entre nós que moramos num pais cheios de assaltantes,criminosos e esterionatarios, sera que funcionaria??

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • R

    RMSL

    ± 3 dias

    Necessário porém o emprego formal vai diminuir mais ainda com estas tecnologias.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    2 Respostas
    • J

      Jesse Borges Furin

      ± 3 dias

      Não entendi o que esse sistema de pagamentos tem a ver com os empregos formais. A não ser que, com a expressão emprego formal, o comentário se refira a emprego via CLT, neste caso é certo que haverá algum impacto, mas não necessariamente negativo.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • E

      Eduardo

      ± 3 dias

      Pensar assim é como querer de volta a figura do operador de telégrafo. Além disso, novos empregos serão gerados com essa nova tecnologia.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.