i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Bens de capital

País importou US$ 141 bi em máquinas em 3 anos

Indústria naval nacional não acompanha investimentos da Petrobras na exploração e produção de óleo e gás

  • PorAgência Estado
  • 18/04/2014 21:16
Construção de plataformas da Petrobras por estrangeiros não contribui para a cadeia produtiva nacional | Arquivo/ Gazeta do Povo
Construção de plataformas da Petrobras por estrangeiros não contribui para a cadeia produtiva nacional| Foto: Arquivo/ Gazeta do Povo

A recontratação de estaleiros estrangeiros para a construção das plataformas P 75, P76 e P77 da Petrobras não é um caso isolado na avaliação de críticos da atual política de conteúdo local do governo. Um balanço realizado pela Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq) indica que nos últimos três anos o país importou mais de US$ 141 bilhões em máquinas, peças e embarcações.

Os dados, referente à importações beneficiadas pelo regime especial de tributação Repetro, são da Receita Federal, obtidos por meio da Lei de Acesso a Informação. Segundo o levantamento, somente em 2013 foram US$ 35 bilhões investidos em embarcações, entre navios de apoio e plataformas para o mercado de óleo e gás offshore.

As importações, na avaliação do presidente executivo da Abimaq, José Velloso, reforçam as críticas de que a política de conteúdo local é limitada no país. "O estaleiro se apropriou de todos os benefícios concedidos, ampliou sua margem de lucro e não repassou os benefícios para a cadeia local", questiona.

Apesar de os investimentos da Petrobras em exploração e produção terem crescido mais de 509% em 10 anos, a indústria local de peças e equipamentos navais viu menos de um décimo desse montante, com alta de apenas 41% na sua produção. O levantamento Abimaq tem como base a produção de suas 6.800 empresas associadas no período entre 2003 e 2013.

"Os números indicam que o conteúdo local fica restrito a soldas de chapa e pintura, mas o recheio dos navios, que gera valor agregado, é importado. Só temos uma indústria de casco", avalia Velloso. Segundo ele, os estaleiros não repassam aos demais elos da indústria naval os benefícios como isenções fiscais, crédito do BNDES e do Fundo de Marinha Mercante, entre outros. "Para cada emprego que o estaleiro cria, poderíamos criar outros dez".

Nos últimos dez anos, o setor viu cair sua participação na produção de bens de capital de 19% para 5% em relação aos investimentos da Petrobras em óleo e gás. "Isso considerando também os gastos com manutenção dos equipamentos, e não de produção", ressalta o professor da Fundação Getúlio Vargas e ex-diretor da Petrobras, Alberto Machado.

Segundo ele, a base de cálculo sobre o conteúdo local gera distorções, que prejudicam a indústria local de peças e máquinas. "Temos escala, mercado e tecnologia, mas não há produção pelo Custo Brasil. Seria preciso mais transparência na avaliação do conteúdo local e estender o Repetro para as indústrias de base, e garantir a proteção para o produto nacional frente ao importado", completa.

Para o assessor da Petro­bras, Paulo Alonso, para dar suporte às demandas da empresa nos próximos cinco anos, a saída para a indústria local para ganhar competitividade no cenário exterior é "ser inovadora". "Queremos comprar o conteúdo local, mas não a qualquer preço. É preciso vencer a curva de aprendizado, mas isso é como trocar as peças com o avião voando. 2020 já é amanhã", afirmou.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.