i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Pecuária

Para Faep, sacrifício já devia ter ocorrido

  • PorGiovani Ferreira
  • 28/12/2005 19:08

Para a Federação da Agricultura do Estado do Paraná (Faep), o governo do estado já deveria ter decidido pelo abate quando anunciou a suspeita de febre aftosa, no dia 21 de outubro. Carlos Augusto Albuquerque, assessor da presidência da entidade, lembra que as normas da Organização Internacional de Saúde Animal (OIE) são muito claras quando determinam que os animais devem ser mortos não somente em caso de confirmação do foco, mas também quando existe a suspeita da doença.

Sobre a intenção do vice-governador e secretário da Agricultura, Orlando Pessuti, de submeter a decisão pelo abate ao Conesa, no dia 11 de janeiro, Albuquerque entende que essa é uma posição que cabe exclusivamente ao governo estadual. Contudo, se for consultado, o dirigente acredita que o conselho deve decidir pelo que determina a OIE – ou seja, pelo abate imediato. A Faep é uma das entidades que integra o Conesa.

Albuquerque destaca, ainda, que o presidente do conselho é o próprio secretário, e que "postergar qualquer decisão é aumentar o prejuízo de toda a cadeia produtiva da carne". O Paraná acumula um prejuízo diário de R$ 4,7 milhões desde o anúncio da suspeita de aftosa. Mais de 50 países embargaram a carne do estado, em restrições que se estenderam à exportação de frango e suínos.

Se optar pelo sacrifício sanitário, o estado pode voltar a ser considerado área livre de febre aftosa em seis meses, a contar da data em que foi morto e enterrado o último boi da área em que foi reconhecido o foco. No caso do abate sanitário, a recuperação do status sanitário anterior demora pelo menos 18 meses e a carne dos animais que teoricamente estariam infectados deve ser consumida no mercado interno. Qualquer que seja a opção, todo o processo deve ser acompanhado por técnicos do Ministério da Agricultura.

O Conesa é um órgão consultivo que reúne entidades públicas e privadas, entre as quais secretarias estaduais, a cadeia produtiva agropecuária, conselhos profissionais da área agronômica e veterinária e representantes do judiciário, além de técnicos dos conselhos agropecuários municipais. Parte dos integrantes do Conesa também compõe a Fundepec, que no dia 12 de dezembro cobrou do governo do estado o abate dos animais da Fazenda Cachoeira.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.