i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
INDÚSTRIA

Paranaense Fibracem “bate” produto chinês e cresce rápido na crise

Fabricante de cabos ópticos e acessórios manteve produção local quando o dólar não ajudava e agora ganha mercado da concorrência

  • PorFernando Jasper
  • 01/06/2016 15:42
Carina Bitencourt, diretora de marketing e qualidade: empresa espera crescer entre 18% e 22% neste ano. | Antônio More/Gazeta do Povo
Carina Bitencourt, diretora de marketing e qualidade: empresa espera crescer entre 18% e 22% neste ano.| Foto: Antônio More/Gazeta do Povo

O número de acessos à banda larga já não cresce como antes e a tevê por assinatura está perdendo clientes. Mas o faturamento da paranaense Fibracem, que depende desses dois mercados, continua avançando a taxas de dois dígitos. A empresa, que produz cabos ópticos e acessórios em Pinhais, na Grande Curitiba, precisou até contratar funcionários para dar conta da expansão – o quadro aumentou de 115 para 140 pessoas desde o início do ano.

Siga a Gazeta do Povo no LinkedIn

Segundo a diretora de marketing e qualidade, Carina Bitencourt, o desempenho não está ligado a nenhuma estratégia revolucionária, e sim às práticas cotidianas de inovação em processos e produtos e de austeridade nas finanças que a empresa manteve durante os anos de crescimento acelerado do mercado.

“Não houve uma ação específica para enfrentar a crise. O que acontece é que, nos últimos anos, nunca deixamos de investir em maquinário, qualificar mão de obra, combater desperdícios e produzir localmente mesmo quando o câmbio favorecia os produtos importados. E sempre com uma gestão muito cuidadosa na parte financeira”, diz Carina. “Foi uma expansão sem exageros, sem endividamento, com muito cuidado.”

GALERIA: Conheça a fábrica e os produtos da Fibracem

DOIS DÍGITOS

Nos últimos quatro anos, o faturamento da Fibracem mais que dobrou, chegando a R$ 32 milhões em 2015. No primeiro trimestre deste ano, as receitas somaram pouco mais de R$ 10 milhões, com um salto de 56% em relação ao mesmo período do ano passado. A expectativa para o ano todo é mais modesta: a empresa prevê uma expansão entre 18% e 22%.

A solidez na área operacional e o caixa em ordem estão permitindo à Fibracem avançar sobre o mercado de concorrentes que ficaram pelo caminho. Enquanto o dólar esteve barato, muitos deles deixaram de produzir no Brasil para serem montadores ou revendedores de produtos chineses, que entravam no país com preços imbatíveis. Quando a moeda norte-americana começou a subir com mais força, a partir do início de 2015, começou a quebradeira. E a Fibracem, que apostou em produção própria, ganhou espaço.

“Importar ficou muito mais caro de repente. Empresas que mal tinham capital de giro deixaram o mercado, e outras tiveram que se adaptar. Algumas das que montavam equipamentos com peças da China hoje compram nossos produtos”, conta a diretora.

Pequenos provedores

Também conta a favor da Fibracem o fato de atuar num nicho que, por enquanto, foi menos afetado pela crise: os pequenos provedores de internet. “Essas empresas, que atuam principalmente em municípios menores, no interior, continuam investindo. Não tanto quanto antes, mas continuam”, diz Carina.

Enquanto isso, operadoras gigantes como Claro, Oi, Vivo e TIM, que dominam quase 90% do mercado nacional, pisam no freio. Segunda maior fabricante de fibras ópticas do país, a Furukawa, que tem fábrica em Curitiba, estima que o mercado brasileiro vai encolher quase 30% neste ano, segundo o jornal Valor Econômico.

Dados da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e da consultoria Teleco reforçam a tendência de estagnação. No fim de março, havia 18,95 milhões de acessos de tevê por assinatura no país, cerca de 4% menos que um ano antes, segundo dados da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e da consultoria Teleco. A banda larga fixa cresceu 5% em um ano, para 25,77 milhões de acessos. No começo de 2015, no entanto, o avanço beirava os 8%.

ÚLTIMA MILHA

O principal produto da Fibracem é a caixa de emenda óptica, equipamento instalado nos postes de distribuição que “divide” um cabo óptico em várias fibras, para serem encaminhadas aos prédios e residências da região. A Fibracem também produz racks (gabinetes) para centros de processamentos de dados. E, desde 2012, fabrica cabos ópticos e acessórios para a chamada “última milha” – são eles que levam internet, tevê digital e telefonia da rede principal, na rua, até o interior das residências.

Pai, mãe e filha dirigem a empresa

A Fibracem foi fundada em 1993 por Luiz Carlos Bitencourt, um técnico de telecomunicações que deixou a fabricante de fibras ópticas Furukawa, de Curitiba, para abrir a própria empresa, aproveitando que gigantes como a antiga empregadora estavam terceirizando a produção de acessórios. É ele que coordena o desenvolvimento dos produtos da empresa, num laboratório que tem metas para registrar novas patentes a cada ano.

A área de marketing e qualidade é dirigida por Carina Bitencourt, filha de Luiz Carlos. E quem cuida das finanças é Ariane Figueiredo Bitencourt, mãe de Carina. Seu departamento só aprova uma venda após uma análise cuidadosa do contrato social e do histórico de crédito do comprador, o que reduz o risco de inadimplência. Clientes do setor público em geral são vetados; a principal exceção é a Copel Telecom, subsidiária da estatal de energia.

  • A fábrica da Fibracem fica em Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba. Cerca de 140 pessoas trabalham na empresa.
  • A caixa de emenda óptica (na foto, detalhe de sua linha de montagem) é um dos principais produtos da Fibracem. Ele responde por cerca de 30% do faturamento da empresa.
  • Detalhe da caixa de emenda óptica da Fibracem: instalado nos postes de distribuição, equipamento “divide” um cabo óptico em várias fibras, para serem encaminhadas aos prédios e residências de uma região.
  • Produzido na área metalúrgica da Fibracem, o rack para datacenters é um dos equipamentos mais importantes da empresa. Cerca de 40% das receitas dela vêm das vendas de racks e acessórios para fibra óptica.
  • Os cabos ópticos fabricados pela Fibracem são destinados à chamada “última milha”. Eles levam internet, tevê digital e telefonia da rede principal, na rua, até o interior das residências.
  • A Fibracem produz cabos ópticos desde 2012. Em sua linha de produção, ela “encapa” a fibra óptica produzida por um fornecedor.
  • Entre os acessórios produzidos pela Fibracem estão os cordões e conectores ópticos.
  • Área de inspeção de qualidade: ponto branco no centro do círculo indica que a fibra óptica está em bom estado e vai transmitir dados corretamente.
  • Área de inspeção de qualidade: equipamento avalia se as características da fibra óptica estão de acordo com as normas legais.
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.