i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Pecuária

Pessuti tenta mudar posição do ministério sobre aftosa no PR

  • PorMariana Londres com AE
  • 21/12/2005 18:23

O secretário da Agricultura do Paraná, Orlando Pessuti, pretende se reunir hoje com o ministro da Agricultura Roberto Rodrigues para discutir a questão da aftosa no estado. Pessuti quer que o ministério revogue a circular do dia 6 de dezembro, que afirma existir a doença na Fazenda Cachoeira, em São Sebastião da Amoreira (Norte do Paraná). Em nota oficial, segunda-feira, o ministério reafirmou a ocorrência do foco.

A assessoria do ministro não confirmou a reunião com os representantes do Paraná. O encontro foi solicitado pelos deputados paranaenses que compõem a Comissão de Agricultura da Câmara dos Deputados. Eles esperam abrir o diálogo entre as equipes técnicas da Secretaria de Agricultura do Estado de Abastecimento (Seab) e do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (Mapa).

A proposta dos representantes paranaenses, segundo o deputado Cézar Silvestre (PPS-PR), é de que o ministério decrete o estado como área livre de aftosa caso todos os exames "probangs" dêem negativo (leia mais ao lado). Até agora, 48 exames foram concluídos e apresentaram resultado negativo. Ainda falta divulgar o resultado relativo a 161 animais que estavam com suspeita de ter a doença.

A segunda proposta dos paranaenses, ainda segundo Silvestre, é que o Paraná concorde em sacrificar os animais da Fazenda Cachoeira. Se esta for a opção, pelas regras da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), o estado recupera o status de área livre de aftosa em seis meses contados a partir do sacrifício, em que todos os animais da propriedade são executados e enterrados no local para que não haja propagação do vírus.

Por enquanto, foram tomadas as medidas sanitárias necessárias, como a montagem de barreiras na Fazenda Cachoeira e a delimitação de área de risco em um raio de 10 km. "Mesmo que sacrifiquemos os animais devemos buscar na Justiça o cancelamento desse foco e ressarcimento dos prejuízos que o Paraná teve", disse o secretário Pessuti.

Enquanto não há uma decisão para o destino dos animais da Cachoeira, o proprietário André Carioba acumula prejuízos de R$ 3 mil por dia para alimentar o gado, que já está há dez dias no ponto de abate.

Embargos

O Ministério da Agricultura informou ontem que a União Européia (UE) vai manter o embargo às carnes brasileiras de apenas três estados – Paraná, Mato Grosso do Sul e São Paulo.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.