i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
conjuntura

“Pibinho” se repete e deixa governo às escuras

A expansão de apenas 0,6% de janeiro a março significa que a economia não está respondendo aos estímulos

  • PorFabiane Ziolla Menezes e agências
  • 30/05/2013 21:17
Mantega: PIB anual caminha para a faixa de 2,2% | Ueslei Marcelino /Reuters
Mantega: PIB anual caminha para a faixa de 2,2%| Foto: Ueslei Marcelino /Reuters

A economia brasileira fechou o primeiro trimestre de 2013 com apenas 0,6% de crescimento frente ao trimestre anterior, um resultado bem abaixo das expectativas do mercado, que apostava em algo entre 0,8% e 1%. Isso significa que a recuperação da atividade nacional está mais lenta que o esperado, mesmo com a série de medidas (desonerações, crédito barato para investimentos etc) que o Ministério da Fazenda adotou para estimular a economia.

Na comparação com o ano passado, o avanço foi de 1,9%, sendo que a indústria, em especial, recuou 1,4%. Nesse ritmo é impossível chegar aos 3,5% da meta do governo federal ou mesmo aos 3% antes previstos por boa parte dos analistas.

A faixa confortável daqui para frente, nem muito otimista nem pessimista, é a de 2,5%. No momento, segundo o ministro da Fazenda, Guido Mantega, o país caminha a uma taxa anualizada de 2,2%.

Modelo

O ritmo menor que o esperado no crescimento reflete, segundo os analistas, o esgotamento do modelo de estímulo ao consumo. Pressionadas pela inflação e pelas dívidas, as famílias consumiram apenas 0,1% mais no primeiro trimestre de 2013 em relação ao trimestre imediatamente anterior. A volta da cobrança do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) sobre veículos e eletrodomésticos e o crédito mais seletivo contribuíram para esse número.

Ainda assim,e na comparação com o 1.º trimestre de 2012, o consumo das famílias subiu 2,1%, a 38.ª alta consecutiva nesta base de comparação.

Erro de diagnóstico

Para o economista Lu­cia­no Nakabashi, professor da USP de Ribeirão Preto, a pressão inflacionária persistente é resultado também de um erro de diagnóstico da equipe econômica, que focou muito em proteger o país da crise externa e pouco – ou de forma atrasada – na resolução de entraves internos: infraestrutura precária; piora do cenário institucional pelo excesso de intervenção do governo no mercado; e carga tributária excessiva somada ao aumento de gastos públicos. "Todos esses efeitos tiveram como consequência uma estagnação ou queda da produtividade da economia e, com um baixo desemprego, medidas adicionais para estimular a demanda começaram a afetar, principalmente, os preços e, desse modo, a inflação", resume.

Expectativa

O economista Silvio Sa­les, da Fundação Getúlio Vargas (FGV), acredita que a expansão da economia no segundo trimestre de 2013 virá ainda menor que a do primeiro. "De maneira geral, as sondagens do comércio, de serviços e de construção [de abril] têm mostrado, a partir do segundo trimestre, uma tendência declinante na percepção das empresas", argumentou Sales.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.