i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Pagamentos instantâneos

Não é só “bancão” e fintech: como o Pix abre mercado para outros segmentos

  • 16/10/2020 19:31
Pix
A solução de pagamentos instantâneos Pix passa a operar em 16 de novembro.| Foto: Bigstock

As transações gratuitas, sem limites de dia ou horário e realizadas de modo praticamente instantâneo por meio do Pix prometem colocar players menores em pé de igualdade com os grandes bancos a partir de 16 de novembro. As vantagens do sistema de pagamentos instantâneos do Banco Central devem acabar de vez com um monopólio que desde a década de 2010 já vinha sendo abocanhado pelas fintechs e que passará a ser mordido também por outros interessados em operar soluções do segmento.

Pelas regras da nova plataforma, instituições bancárias e financeiras com mais de 500 mil contas ativas são obrigadas a participar do Pix, mas outras empresas financeiras e de pagamentos têm liberdade para aderir. Para isso, precisam oferecer contas transacionais (contas de depósito à vista, mais comumente conhecidas por contas-corrente, contas poupança ou pré-pagas) movimentadas pelo usuário final.

Dados do Banco Central do dia 14 de outubro apontam 980 participantes em processo de adesão ao sistema, apenas 34 dos quais são os obrigados a ingressar no Pix. Na listagem dos 946 interessados com participação facultativa aparecem bancos menores, startups do segmento (as fintechs), cooperativas de crédito, operadoras de cartões e companhias de e-commerce e pagamentos digitais, mas também postos de combustíveis, seguradoras e gigantes do varejo.

Antonio Cerqueiro, da consultoria Bain & Company, destaca que "dentre as cerca de 700 empresas já autorizadas pelo BC a operar [aquelas que passaram pelos testes de conformidade e segurança] tem as fintechs que são completamente novas e desvinculadas de qualquer coisa, mas tem muitas operações que são vinculadas a varejo, por exemplo. Todas as varejistas de grande porte têm operações financeiras relevantes e já oferecem crédito para os seus usuários [via cartões private label ou crediário], e é natural que evoluam para ter uma conta, para que essa conta transacione através do Pix”, avalia.

A perspectiva é de que empresas que já têm relações consolidadas com seus clientes busquem no Pix um meio de avançar na oferta de serviços.

Para Flávia Mansur Murad, especialista em propriedade intelectual com foco em inovação, “o Pix vem ao encontro dos pilares da descentralização e desintermediação de serviços bancários de pagamento em linha com a economia 4.0, digital". "Não depende de o pagador deter conta de depósito bancária, mas conta transacional”, diz.

Desse modo, seria muito fácil uma empresa oferecer ao consumidor uma conta para que ele faça o pagamento dos seus próprios serviços, mas que também pode ser movimentada para que o cliente pague quaisquer outros fornecedores.

Ainda segundo a especialista, “o Pix atende às exigências do novo consumidor quanto à simplicidade, agilidade e facilidade, no sentido de conveniência, e deve fazer com que os bancos percam cerca de 8% de seu faturamento” a partir da fuga das transações tarifadas.

A estimativa da Bain & Company é de uma migração de 30% do volume das transferências por meio TEDs e DOCs para a nova plataforma nos próximos cinco anos.

Mais concorrência, mais bancarizados

Responsável pela regulação do Sistema de Pagamentos Instantâneos, o Banco Central aponta como resultado esperado da operação do Pix um aumento na concorrência (com possível redução em taxas praticadas pelo mercado), mas também o aumento de acesso a serviços financeiros por pessoas que jamais tiveram relação com bancos – estimados em 40 milhões de brasileiros.

Em live recente, o chefe de subunidade do Banco Central Breno Lobo destacou que acredita na facilitação do processo de inclusão justamente por meio da segmentação.

“Muita instituição de nicho chega onde as instituições do sistema financeiro tradicional não chegam. Então tem gente focada nessa população mal servida e não bancarizada que vai conseguir ofertar um serviço de qualidade, fácil, rentabilizar como negócio e facilitar esse processo de inclusão”, pontuou.

6 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 6 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • C

    Celito Medeiros

    ± 0 minutos

    O que um cidadão espera é um sistema confiável e de baixo custo. A preocupação de clonagem de cartões, de captação se senhas, mesmo que haja seguro, pode gerar tempo e sabemos que 'tempo é dinheiro'. A segurança do BC, claro, só paga a quem tem dinheiro em conta, sem atrapalhos evitando dinheiro em espécie, toda transação será transparente e uso de dinheiro legal. Mas não se pode esquecer que o BC garantia as aplicações em Poupança, mas deixou os aplicadores, hoje idosos, sem receberem o que lhes era devido até hoje. Os Bancos usaram o STF para uma tentativa ridícula de pagamento, poucos aderiram e muitos estão esperando receber. O BC onde está que não garantiu?

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • C

    Correa

    ± 18 minutos

    O BC toma uma decisão que poderá, a médio prazo, mudar todo o cenário do mercado financeiro nacional. A vida dos bancões via ficando mais difícil com a concorrência nos calcanhares deles.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • E

    Eurico Schwinden

    ± 2 horas

    Claro que o PIX pode, deve e vai ajudar a enquadrar os bancos, que viveram dias de obscena grandeza nos tempos de Lula e Dilma, sob a tutela de Delfim Neto, que era capaz de antecipar com folga o que o Copom iria decidir. Quem pode esquecer que Henrique Meirelles só assumiu o Banco Central com a garantia do foro privilegiado, garantido pelo título de ministro dado por Luiz Inácio. Alguém, afinal, poderia mandar Palocci calar a boca. Mas nada justifica que sob o argumento da pandemia o Banco do Brasil, exatamente nesta hora, limite em um mil reais qualquer transferência para outros bancos.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    Momento Fletor

    ± 5 horas

    Em outros países, desenvolvidos, diga-se de passagem, este sistema já se encontra em pleno funcionamento e foi rapidamente implementado. Aqui na "terra abençoada por Deus" e onde bandidos são libertados pelas autoridades, o negócio segue em marcha lenta...! (será q há interesses escusos por trás?)

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • M

      Marco M.

      ± 3 horas

      Nao resta dúvida meu caro. Tudo isso em nome do controle total de todas as transações do país, aguarde!!

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    Marco Polo

    ± 6 horas

    Vamos para frente!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]