i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Serviços

Planos de assistência para pets tentam atrair mercado no país

B2W lança pacotes à venda na internet, com preços baixos, para driblar concorrência de clínicas e desinteresse de prestadores de serviço

  • PorCamille Bropp Cardoso
  • 23/06/2014 21:22
O estudante Yagor Costa e “Vito”: cuidado garantido com plano de assistência | André Rodrigues / Gazeta do Povo
O estudante Yagor Costa e “Vito”: cuidado garantido com plano de assistência| Foto: André Rodrigues / Gazeta do Povo

Precaução

Casal contratou plano de assistência para evitar gastos maiores

Foi a namorada do estudante Yagor Freitas Costa, 21 anos, que teve a ideia de contratar um plano de assistência depois que os dois ganharam de presente o cão Vito, da raça pug. Optaram pela única empresa que oferece plano em Curitiba, a Clínica Veterinária Nossa Senhora da Luz, por R$ 40 mensais mais taxa de adesão de R$ 60. "Estávamos com medo porque os pugs são problemáticos. Preferimos ficar respaldados caso aconteça algo com o Vito", afirma Yagor.

Também pesou na escolha a conta salgada de R$ 2 mil que receberam do veterinário uma vez, quando outro cachorro do casal foi envenenado. Por enquanto, os dois já aproveitaram o plano para fazer microchipagem e consultas de rotina.

Interessados, porém, devem prestar atenção às exclusões: o plano oferece seis consultas anuais, mas remédios são cobrados à parte. O mesmo vale para a ração em caso de internação e o transporte emergencial.

Brasileiros que têm bichos de estimação gastaram R$ 5,48 bilhões em 2013 para custear idas ao veterinário e serviços como banho e tosa. É uma oportunidade e tanto para empresas de planos de assistência e seguradoras, mas as vendas dos produtos ainda não engrenaram no país. Os preços estão longe de serem tabelados e os planos enfrentam concorrência direta de clínicas e pet shops.

INFOGRÁFICO: Veja quanto o brasileiro gasta para manter seu animal de estimação

No fim de abril, o grupo de lojas virtuais B2W (Submarino, Americanas e Shoptime) lançou um produto que tenta driblar este cenário, ao oferecer planos com mensalidades baixas para o país todo – de R$ 15 a R$ 30. Os três planos cobrem vacinas, consultas e transporte em caso de emergência. Os dois mais caros bancam (com limites) cirurgias e microchipagem. A rede de prestadores de serviço foi reunida pela Brasil Assistência, que já vendia o plano como cobertura extra em um produto para viajantes.

A estratégia do Pet Assistência busca vencer dois obstáculos do mercado. A venda pela internet e os preços agressivos são uma maneira de formar uma carteira suficiente de usuários – dessa dificuldade vem o fato de seguradoras e planos em geral adotarem a cobertura para pets como serviço extra. Já a rede de assistência pré-formada, com 240 pontos no país, é um apelo contra a falta de prestadores, reclamação recorrente de quem contrata plano do tipo.

A empreitada se baseou em uma pesquisa feita com compradores de produtos para bichos das três lojas virtuais. Segundo o levantamento, 70% deles aceitariam pagar um plano para pets. A projeção é de que 5 milhões de lares das classes A, B, e C se interessem pelo serviço. A Submarino não comenta a procura, mas a Brasil Assistência pensa em criar novos produtos dentro do nicho, adianta o gerente de marketing e produtos, João Carlos Ayres.

Limites

Os planos enfrentam certa resistência por parte de veterinários. O presidente da Associação Nacional de Clínicos Veterinários de Pequenos Animais no Paraná (Anclivepa-PR), Roberto Luiz Lange, reconhece que profissionais não costumam ter interesse em se associar porque o repasse é baixo. "Os clientes exigem serviço de alta qualidade e o plano geralmente paga aquém do que custa. Não é viável", diz.

A Brasil Assistência conta ter formado uma rede com o argumento do "ganho por volume", mas admite que a lista pode sofrer ajustes. Ainda assim, é preciso atenção aos limites de custos estabelecidos em contratos. O plano básico da B2W, por exemplo, prevê duas consultas anuais, com limite de R$ 100 para cada. Em Curitiba, dependendo da clínica, cada consulta custa R$ 110, diferença que terá de ser coberta pelo consumidor.

Seguradoras pagaram R$ 8,6 milhões em 2013

Seguradoras e pet shops também participam do mercado de planos de assistência e cobertura de saúde para bichos. Seguradoras em geral oferecem cobertura da morte do animal (ou seja, indenização para o dono). Segundo dados da Superintendência de Seguros Privados (Susep), em torno de 60 empresas oferecem este tipo de produto para pets – categoria que inclui animais usados em competições. O montante de prêmios pagos aumentou 22% entre 2010 e 2013, quando chegou aos R$ 8,6 milhões.

Clínicas podem criar planos e pacotes para serviços veterinários, segundo resolução de 1998 do Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV). Mas há condições para isso. Uma delas é registrar o serviço nos conselhos regionais, especificando profissional responsável. Segundo o assessor técnico do conselho paranaense Ricardo Simon, coordenador de fiscalização da entidade, há hoje apenas três clínicas registradas para oferecer pacotes no estado, em Curitiba, Maringá e Rio Negro.

Hospitais nunca entraram no ramo e as duas operadoras de plano para pets deixaram de funcionar no estado no fim dos anos 2000. "O mercado ainda é incipiente", resume Simon. A resolução diz que pet shops podem oferecer pacotes regularmente apenas se os serviços abrangidos não forem médicos.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.