i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Tributos

Pobre trabalha duas vezes mais para pagar impostos

A carga tributária para quem está na base da pirâmide chega a quase 54% da renda, contra 29% para os mais ricos, diz Ipea

  • PorCristina Rios - Colaborou Osny Tavares
  • 30/06/2009 21:15
Valdeci Taborda, que saiu com a família para comprar uma lavadora de roupas: peso tributário impressiona | Antônio Costa/Gazeta do Povo
Valdeci Taborda, que saiu com a família para comprar uma lavadora de roupas: peso tributário impressiona| Foto: Antônio Costa/Gazeta do Povo

Nas ruas

A reportagem da Gazeta do Povo saiu ontem às ruas para perguntar aos consumidores se eles conhecem o peso da carga tributária brasileira.

Você sabia que, de cada R$ 100 reais gastos com consumo, R$ 42 vão para o pagamento de impostos?

Veja as respostas abaixo

IBPT questiona pesquisa

O Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT) discorda dos números apresentados pelo Ipea e acredita que a diferença da carga tributária entre pobres e ricos é menor. "O principal problema do estudo (do Ipea) é que ele não considera o peso dos impostos sobre renda e patrimônio, que afetam os mais ricos. É preciso levar em consideração, por outro lado, que os mais pobres em geral não pagam Imposto de Renda, não têm propriedade e muitos estão na informalidade, o que tem impacto no resultado", afirma o presidente do IBPT, Gilberto Luiz do Amaral. "Seria muito grave se tivéssemos mesmo uma diferença tão grande entre pobres e ricos."

Resultado diferente

Um estudo do IBPT, divulgado em maio, fez os mesmos cálculos do Ipea, mas considerou faixas de rendas diferentes. De acordo com o levantamento, famílias com rendimento até R$ 3 mil levariam 140 dias para pagar tributos. Para as que recebiam de R$ 3 mil a R$ 10 mil, o tempo seria de 156 dias; acima de R$ 10 mil, seriam 152 dias.

Mas, assim como o Ipea, a conclusão do IBPT é de que o atual sistema tributário brasileiro provoca distorções e pune os que ganham menos. Para ambos, os efeitos da redução do IPI, por exemplo, são limitados, uma vez que privilegiam setores específicos – no caso, as indústrias de automóveis e caminhões, de material de construção e de eletrodomésticos de linha branca. Mas, para o presidente do Ipea, Marcio Pochmann, a medida é válida. "Essa redução não considera o aspecto da justiça tributária. Sem as isenções, possivelmente teríamos um aumento maior do desemprego", afirma. (CR)

  • Veja a carga tributária para o brasileiro

O valor total dos impostos, taxas e contribuições pagos pelos brasileiros aumentou no ano passado e o maior peso recai sobre os mais pobres. A população de baixa renda precisa trabalhar quase duas vezes mais para pagar impostos do que os mais ricos, aponta um estudo divulgado ontem pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

Segundo o levantamento, que toma como base os números de 2008, as famílias que recebem até 2 salários mínimos precisavam trabalhar 197 dias para pagar tributos em 2008. Os que ganham acima de 30 salários mínimos, por outro lado, necessitavam de 106 dias. Dividido ao longo do ano, o peso dos impostos equivalia a 132 dias trabalhados no ano passado.

Todos pagam mais

Entre 2004 e 2008 houve aumento da carga tributária para todas as classes sociais, mas a população de menor aquisitivo continua a sofrer mais. A carga tributária para quem está na base da pirâmide chega a quase 54% da renda, contra 48,8% em 2004. Para quem está no topo ela avançou de 26,3% para 29%. O Ipea estima que a carga tributária bruta (que considera todos os impostos compulsórios pagos no Brasil) foi de 36,2% do PIB.

"O ônus da carga tributária brasileira é muito maior para os pobres do que para os mais ricos, e esse cenário se acentuou nos últimos anos", disse o presidente do Ipea, Marcio Pochmann. O Ipea, que é um órgão vinculado ao governo federal, condena essa distorção. "Os ricos precisam pagar mais impostos do que os mais pobres, como ocorre em países desenvolvidos."

De acordo com os técnicos do instituto, essa diferença no peso da carga tributária pode ser explicada pelo perfil de comprometimento da renda entre as classes sociais. "A população de menor poder aquisitivo gasta quase tudo o que ganha com consumo, no qual incidem os chamados impostos indiretos, que têm um peso maior", afirma. "É o caso, por exemplo dos gastos com alimentação, bebidas, transportes e vestuário", acrescenta o presidente do Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT), Gilberto Luiz do Amaral.

Com uma renda de R$ 1 mil, o garçom Valdeci Taborda está no grupo dos brasileiros que pagam mais impostos. Após dois meses de economias, ele saiu ontem com a família para procurar uma máquina de lavar roupas. "Faz algumas semanas que eu estou pesquisando preços. Preciso achar uma lavadora que custe menos de R$ 600."

Mordida

Uma estimativa do Ipea mostra que, de cada R$ 100 gastos na economia brasileira, R$ 42 vão para o pagamento de impostos indiretos, como ICMS, IPI, PIS e Cofins. Quando informado sobre o tamanho da mordida dos tributos no bolso, Valdeci Taborda ficou impressionado: "Não sabia que era tanto. É tão alta que, se parassem de me cobrar, eu até poderia dizer que estou bem de vida."

O estudo do Ipea também revelou que o brasileiro precisa de 20 dias e meio de trabalho para bancar os juros da dívida do governo (União, estados e municípios) e de 1,5 dia de trabalho para bancar os recursos do Bolsa Família.* * * * *

Interatividade

Você concorda com a ideia de que os ricos deveriam pagar mais impostos, aliviando a carga tributária dos mais pobres?

Escreva para leitor@gazetadopovo.com.br

As cartas selecionadas serão publicadas na Coluna do Leitor.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.