i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Concurso

Provas testam o raciocínio

Processos de seleção têm incorporado o teste de lógica para ver a habilidade do candidato em tomar decisões

  • PorMarcus Ayres, Jornal de Maringá On-line
  • 19/01/2010 21:01
José Pacífico ensina raciocínio lógico e garante que é possível aprender com muito treino | Fabio Dias/ Gazeta do Povo
José Pacífico ensina raciocínio lógico e garante que é possível aprender com muito treino| Foto: Fabio Dias/ Gazeta do Povo

Dicas

Veja alguns conselhos para se preparar para a prova de raciocínio.

Conteúdo

Como a matéria não consta na programação do ensino fundamental, ensino médio ou em algum curso de nível superior, é importante o candidato conhecer o conteúdo, por livros, apostilas ou cursinhos preparatórios.

Material

Um bom material é essencial para compreensão do conteúdo. Algumas apostilas trazem muitos exercícios.

Questões

Trabalhe questões que já caíram em outros concursos. As perguntas que caem nos testes costumam ter as mesmas características. Portanto, habitue-se com os problemas.

Diversidade

Varie os tipos de questões estudadas. Existem perguntas voltadas para a sequência lógica matemática, sequência numérica, sequência de objetos, análise combinatória, arranjo, permutação, entre outros.

  • Veja algumas questões que caíram em provas de concursos públicos

Em um concurso público, os candidatos podem se deparar com a seguinte questão: "Qual é o próximo número da sequência: 2, 10, 12, 16, 17, 18, 19?". Essa é uma típica pergunta de uma prova de raciocínio lógico, que tem se tornado comum nas seleções. Pode parecer redundante haver testes para ver, em última análise, se os candidatos pensam, mas eles têm a função de escolher aqueles com a habilidade de solucionar problemas somente com o raciocínio.De acordo com o matemático e especialista em raciocínio lógico, José Carlos Pacífico, praticamente todos os concursos de nível superior estão cobrando a matéria. "Alem da matemática, que já era comum na aplicação dos testes, o raciocínio lógico matemático entrou como novidade. Alguns concursos começaram a exigir esse conteúdo há cerca de quatro anos, mas desde 2008 praticamente todos estão cobrando, como a Polícia Rodoviária Federal e a Receita Federal", explica o professor que há 20 anos trabalha com cursos preparatórios em Maringá (Noroeste do estado).

Mas o que é o raciocínio lógico? Segundo Pacífico, a ideia de raciocínio vem da dedução mental. "Uma pessoa estuda raciocínio lógico para ter atitudes matemáticas mais rápidas, ou seja, quando surgir um problema, ela poderá optar por aquilo que é mais adequado para resolver a questão. O raciocínio matemático serve para agilizar o pensamento e as atitudes em função de uma situação de risco".

Apesar de ser encarada como um "bicho de sete cabeças" por muitos, Pacífico afirma que a matéria apenas parece que é difícil. "Embora elaborar um raciocínio não seja algo mecânico, é fácil perceber as etapas de montagem de um problema. A dedução lógica acontece por meio de uma leitura atenta que leva a uma boa interpretação. Após a leitura, o candidato identifica qual é o conteúdo, monta uma estratégia e faz a resolução matemática", explica.

Para "ensinar os outros a pensar", Pacífico repassa vários exemplos de concursos já realizados. "Nos testes, as questões de têm a mesma característica. Então trabalhamos com vários tipos de exercícios. Com treino, os candidatos ficam mais habituados com os problemas".

Dificuldades

Para Pacífico, a maior dificuldade encontrada pelos estudantes está no fato de o aluno não ter contato com o raciocínio lógico nos colégios e no ensino superior. "Eles não viram isso no ensino fundamental, nem no ensino médio ou na universidade. Quando começam a estudar no cursinho preparatório levam um susto. É um desconhecimento total da matéria, a pessoa começa quase que do zero". A opinião do professor é compartilhada pela estudante Maria Isabel Sanches, que tem prestado concursos há quatro anos. Segundo ela, a maior dificuldade encontrada com o raciocínio lógico foi ter conhecido a matéria somente nos cursinhos preparatórios. "No início é um pouco complicado, mas com treino você começa a pensar melhor. Acho que deveria ser ensinado nos colégios, porque também podemos utilizar o raciocínio lógico em outras matérias".

A propósito, a resposta correta para a questão que abre este texto é 200, pois o problema se refere aos números que começam com a letra "d".

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.