i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Incógnita

Presidente da Associação de Comércio Exterior quer mais apoio do governo para conter crise

  • PorAgência Estado
  • 02/01/2009 09:13

O ano de 2008 foi considerado bom para o setor exportador brasileiro mas, a perspectiva para 2009 ainda é uma incógnita. A análise é do presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), Benedicto Fonseca Moreira. Em entrevista Agência Brasil, ele afirmou que o Brasil ainda possui uma faixa de produtos, em especial no setor de alimentos, de que o mercado internacional não pode prescindir. Além de algumas matérias-primas fundamentais. Se o governo reorganizar o planejamento para a crise e der um apoio mais dirigido exportação, que é uma atividade muito importante na sustentação da atividade econômica interna, o país pode ter um resultado menos ruim em 2009 do que está se prevendo, analisou.

As projeções preliminares indicam forte queda nas exportações em 2009, que pode chegar a cerca de US$ 20 bilhões, seguida de retração também das importações. De qualquer maneira, haverá déficit de transações correntes.

Apesar de trabalhar com a perspectiva de recuperação média de preço das commodities (produtos agrícolas e minerais comercializados no mercado internacional), ele estimou que o setor de manufaturados brasileiro deve sofrer os impactos da crise, porque o grande mercado é a América Latina. E os países do continente sul-americano estão enfrentando crises bem sérias, porque a maioria depende de outros produtores, sobretudo de produtos do setor mineral.

O presidente da AEB comentou, entretanto, que o Brasil pode sair sem traumas da crise. Para isso, ressaltou que o governo não atue só com medidas tópicas, porque a crise é grande e mundial. O lógico seria fazer uma avaliação das coisas que incomodam hoje o produtor e o consumidor. Entre os principais problemas, citou a elevada carga tributária. São dez impostos, 20 contribuições, são mais de uma centena de taxas.

Além do custo que isso representa para empresários e cidadãos, Fonseca Moreira indicou a necessidade de que o governo volte sua atenção também para o Nordeste do país. O Nordeste está esquecido como um pólo de investimento prioritário. Ele está lembrado para o Bolsa Família, quando pode ser o grande centro de produção do país. Pode salvar a crise no Brasil, porque são quase 60 milhões de brasileiros.

A eliminação de encargos que incidem sobre o consumidor, a começar pelos juros absurdos, é um dos caminhos para enfrentar a crise externa. Moreira sugeriu também que seja revista a política trabalhista e reforçada a da área social. Está na hora de uma reavaliação inteligente. Digamos, um projeto anticrise, com medidas mais contundentes. A redução da burocracia para o setor exportador foi outra sugestão formulada pelo presidente da AEB. Está na hora de medidas heróicas e sérias, argumentou.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.