i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
petróleo

Presidente global da Shell defende abertura do pré-sal a empresas privadas

Lei atual garante à Petrobras a exclusividade da operação do pré-sal, mas a pressão para a flexibilização da regra vem aumentando

    • Folhapress
    • 15/02/2016 11:07
    Ben Van Beurden, presidente global da Shell. | Divulgação/Shell
    Ben Van Beurden, presidente global da Shell.| Foto: Divulgação/Shell

    O presidente global da Shell, Ben Van Beurden, defendeu nesta segunda-feira (15) a flexibilização das regras para exploração do pré-sal, que hoje garantem exclusividade à Petrobras. O executivo está no Rio para divulgar o início do processo de fusão das atividades com a BG, resultado de um processo de aquisição de US$ 70 bilhões, anunciado em abril de 2015.

    “Esse é um assunto que diz respeito ao governo e aos congressistas, mas se me perguntar (se a abertura a outras empresas) faz sentido, eu diria que faz sentido. Ajudaria a dividir os riscos e a trazer mais investimentos”, disse o executivo, em entrevista coletiva. A lei atual garante à Petrobras a exclusividade da operação do pré-sal, mas a pressão para a flexibilização da regra vem aumentando diante das dificuldades financeiras da estatal.

    A vinda de Van Beurden dá uma dimensão da importância estratégica do Brasil para a nova companhia. Um mês depois de se reunir com a presidente Dilma Rousseff em Brasília, ele optou por voltar ao país para explicar a integração das atividades, enviando membros da diretoria a outros países.

    Petróleo em queda agrava crise da Petrobras

    Para conseguir retomar o crescimento, a estatal decidiu encolher de tamanho e abandonar várias áreas de negócio

    Leia a matéria completa

    “O Brasil será um país-chave na nossa estratégia”, afirmou. “Está seguramente no top 3 de nosso portfólio e, se considerarmos apenas a produção em águas profundas, é o maior.”

    Van Beurden disse acreditar na competitividade do pré-sal, mesmo em um cenário de petróleo barato. “O break even (preço de equilíbrio dos projetos) é muito favorável, mesmo nessa faixa de preços. E, se os preços caem, os custos também caem”, comentou. “Além disso, são projetos de três ou quatro décadas, então temos que pensar em três ou quatro décadas”, disse o executivo.

    Parceria

    A Shell é parceira da Petrobras no campo de Libra e a BG tem participação em outras três concessões operadas pela estatal no pré-sal, incluindo o campo de Lula, o maior do país. Juntas, as duas empresas produzem hoje 240 mil barris de óleo equivalente (somado ao gás) por dia no país.

    O executivo disse acreditar “na geologia e nos fundamentos da economia brasileira”, mas defendeu estabilidade regulatória e fiscal para permitir os investimentos. A Shell foi uma das poucas petroleiras a se manifestar publicamente contra uma série de leis aprovadas pelo governo do Rio no final do ano passado que podem aumentar os custos do setor.

    Ele minimizou a crise da Petrobras, dizendo que “a empresa certamente vai sair dessa e continuar ajudando o país”. Mas disse que ainda não discutiu com a estatal as estratégias após a fusão.

    Governo Dilma planeja fazer a maior privatização desde 1998

    Planalto abandona ideologia e sai em busca de recursos, mas terá de enfrentar aliados, a Justiça e o mau momento da economia

    Leia a matéria completa

    Fusão

    A união das atividades da Shell e da BG no Brasil começa a ser desenhada a partir desta segunda. Van Beurden não quis adiantar quantas pessoas serão demitidas no país, argumentando que a análise da estrutura organizacional levará três meses.

    Em todo o mundo, a expectativa é que o corte chegue a 2.800 empregados, garantindo ganhos de sinergia de US$ 3,5 bilhões por ano até 2018. A companhia definiu que seus focos de atuação serão o mercado global de gás natural liquefeito (GNL) e a exploração e produção de petróleo em águas profundas.

    Questionado sobre a possibilidade de aquisição de ativos de gás da Petrobras, o presidente da Shell Brasil, André Araújo, afirmou que a empresa avalia “qualquer oportunidade” que a estatal apresenta ao mercado. Van Beurden, porém, descartou investimentos no setor de refino de petróleo no país.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.