i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Governo Lula

Presidente manterá Meirelles e autonomia do Banco Central

  • PorValor Online/O Globo Online
  • 16/02/2007 06:49

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva vai confirmar Henrique Meirelles na presidência do Banco Central (BC) e reafirmar a autonomia operacional da instituição na condução da política monetária. Lula, segundo um auxiliar direto, ainda não conversou com Meirelles, mas já tomou a decisão de mantê-lo no cargo. Ainda não fez o anúncio porque considera uma descortesia com os outros ministros confirmar apenas o nome do presidente do BC neste momento.

O presidente, segundo um assessor, aprecia o " equilíbrio " existente hoje dentro da equipe econômica. O equilíbrio seria assegurado, de um lado, por um Ministério da Fazenda mais " aberto " e menos ortodoxo, e do outro por um Banco Central e um Ministério do Planejamento " cautelosos " nas áreas fiscal e monetária.

" O presidente não teme as divergências entre ministros e assessores. Considera-as saudáveis porque elas o ajudam a tomar decisões " , conta um assessor, referindo-se às diferenças de opinião existentes entre o ministro da Fazenda, Guido Mantega, e a diretoria do BC. " Mesmo o Guido está mais próximo do Meirelles nos últimos tempos " , revela um auxiliar de Lula.

Quando o presidente anunciar o novo ministério, Meirelles conversará com os integrantes da diretoria do BC. Há cerca de seis meses, para evitar especulações no mercado, ele pediu aos diretores que não tomassem qualquer decisão, sobre ficar ou deixar o governo, até Lula definir a equipe do segundo mandato. Há a possibilidade de mudanças.

Os rumores mais fortes dizem respeito ao diretor de Pesquisa Econômica, Afonso Bevilaqua. Há quase quatro anos no cargo, ele teria interesse em deixar o cargo por considerar que concluiu sua " missão " - trazer a inflação de 12,5% em 2002 para 3,1% em 2006, um índice inferior à meta fixada pelo governo. Além disso, já teria chegado o momento de iniciar sua vida no setor privado, um caminho natural para ex-diretores do Banco Central.

Bevilaqua é muito criticado pelo PT e pela área política do governo, que o responsabilizam pelo excesso de ortodoxia na condução da política de juros, embora o Comitê de Política Monetária (Copom) tenha outros sete integrantes. O diretor gosta do que faz. Ele tanto pode ficar quanto sair. " Se o Afonso quiser ficar, excelente! Não há óbice a que ele continue cargo " , disse ao Valor um ministro próximo de Lula.

Desde que assumiu o comando do BC, há quatro anos, Meirelles nomeou onze diretores. Os dois últimos - Paulo Vieira da Cunha (Assuntos Internacionais) e Mário Mesquita (Estudos Especiais) - foram escolhidos junto com o presidente Lula, portanto, com o seu aval direto. As nove nomeações anteriores, inclusive a de Bevilaqua, foram acertadas com o então ministro da Fazenda, Antonio Palocci, e avalizadas num segundo momento pelo presidente.

Trata-se de uma sutileza importante. Até 2004, o Banco Central era uma autarquia que respondia ao Ministério da Fazenda. Por isso, as nomeações de diretores eram definidas pelo presidente do BC, em conjunto com o titular da Fazenda. Depois que passou a ter status de ministro, uma mudança ocorrida em 2005, o presidente da instituição passou a responder diretamente ao presidente da República. Por essa razão, a definição da diretoria passou a ser acompanhada e definida diretamente pelo presidente Lula.

Esse modelo institucional agrada ao presidente porque, embora deseje acelerar o ritmo de expansão da economia, Lula, segundo assessores, não quer " marola " na área financeira. Seu objetivo é liberar o ministro Guido Mantega para pensar em medidas que destravem o crescimento, enquanto ele mantém a retaguarda fiscal e monetária com Meirelles no BC e Paulo Bernardo no Planejamento.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.