i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
novembro

Produção industrial recua 0,2% e interrompe recuperação

Nem mesmo com o câmbio mais favorável a indústria conseguiu sustentar a tendência de recuperação vista em outubro

  • PorFolhapress
  • 08/01/2014 06:31

Nem mesmo com o câmbio mais favorável a indústria conseguiu sustentar a tendência de recuperação de outubro e registrou queda de 0,2% em novembro, na comparação com o mês anterior. A queda na produção ocorreu em 14 dos 27 ramos pesquisados.

"Essa queda (acumulada em dois meses pelo segmento de veículos automotores) devolve parte do ganho de 9,1% verificado nos dois meses anteriores, agosto e setembro", lembrou André Macedo, gerente da Coordenação de Indústria do IBGE.

Outras contribuições relevantes para a redução de 0,2% no total da indústria em novembro ante outubro foram de máquinas e equipamentos (-3,0%), edição, impressão e reprodução de gravações (-5,3%), equipamentos de instrumentação médico-hospitalar, ópticos e outros (-16,0%), indústrias extrativas (-3,1%) e produtos de metal (-3,4%).

Na direção oposta, entre as treze atividades que registraram aumento na produção, os desempenhos de maior importância foram dos setores farmacêutico (9,6%), refino de petróleo e produção de álcool (4,0%), outros produtos químicos (3,3%), metalurgia básica (3,1%), máquinas para escritório e equipamentos de informática (3,8%), alimentos (0,5%) e material eletrônico, aparelhos e equipamentos de comunicações (2,7%).

Em outubro, o setor havia mostrado uma expansão de 0,6%, na terceira alta mensal seguida. Os dados foram divulgados na manhã de hoje pelo IBGE.

Embora negativo, o resultado de novembro veio acima do previsto pelo mercado, cujas projeções apontavam para uma queda mais intensa, da ordem de 1% frente a outubro.

Em relação a novembro de 2012, houve alta de apenas 0,4%. Já no acumulado do ano, a produção registrou crescimento de 1,4%. Nos 12 meses encerrados em novembro, a indústria apresentou avanço de 1,1% e deve fechar o ano num patamar próximo a esse, segundo especialistas.

Nos três meses de crescimento encerrados em outubro, o setor fabril havia acumulado uma alta de 1,6%. Tal resultado, porém, não foi suficiente para zerar as perdas de maio a julho, quando, na média, a indústria teve uma perda de 2,3%. Agora, a indústria volta a sucumbir diante de uma produção frustrante para o Natal, cujas vendas do varejo também não foram bem.

O desempenho ocorre num momento difícil para o setor, que sofre com juros mais altos, crédito restrito e confiança dos empresários debilitada. O menor otimismo se traduziu na queda dos investimentos no terceiro trimestre e na consequente retração do PIB (de 0,5%) em relação ao segundo trimestre.

A indústria sofre ainda com a maior concorrência de importados e sente ainda dificuldades para colocar seus produtos no mercado externo, contraído diante do baixo crescimento da economia mundial.

Setores

O fraco desempenho de outubro para novembro ocorre por conta perda de fôlego da indústria automobilística. O setor de veículos automotores registrou retração de 3,2%, a segunda consecutiva nessa base de comparação.

Também pesaram as quedas de máquinas e equipamentos (-3%), edição e impressão (-5,3%), equipamentos médico-hospitalares (16%) e indústria extrativa (2,7%).

Já as altas de destaque ficaram com farmacêutica (9,6%), refino de petróleo e produção de álcool (4%), equipamentos de informática (3,8%) e produtos químicos (3,3%).

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.