| Divulgação
| Foto: Divulgação

O grupo Higi Serv, dono da Usina de Recicláveis Sólidos Paraná (Usipar), inaugurada em abril no município de Almirante Tamandaré, planeja ampliar sua atuação no setor de reciclagem de sobra de materiais de construção civil. Uma nova usina para o próximo ano está em fase de estudos de viabilidade. O sócio administrador Alexandre Graeser Blaszezyk (foto) disse ao repórter Carlos Guimarães Filho que a intenção é instalar a nova operação na região ao sul da capital – o município ainda não está definido. Com duas usinas em pleno funcionamento, 85% das sobras dos canteiros de obras da capital e região poderão ser recicladas.

Quais os planos para o início da segunda operação de reciclagem?

Estamos fazendo estudos. Como a Usipar ainda é uma operação nova, não temos muitos números. Acredito que, dentro de mais três meses, teremos a definição.

Passados quatro meses da inauguração da Usipar, como está a operação?

Estamos recebendo em média 8 mil toneladas de resíduos por mês. Após a triagem, 60% do produto é reciclado e o restante precisa ir para outro destino, outras recicladoras. Nossa capacidade máxima é de 20 mil toneladas por mês, o que queremos atingir no médio prazo.

A população curitibana está preparada para esse tipo de atividade?

Aos poucos, nós estamos conseguindo incentivar as pessoas e as construtoras a separar de forma adequada. Há uma consciência crescente sobre a importância de não jogar os restos de obra nas beiras de rios ou de estradas. Mesmo assim, ainda é comum encontrarmos coisas, como colchão, ou animais mortos, misturados ao lixo reciclável. Cerca de 8% das caçambas são compostas de rejeitos.

Após a reciclagem, como o material retorna ao mercado?

A sobra, após o tratamento, volta na forma de areia, brita, pedrisco e rachão.

Esses produtos são comercializados por um preço 25% menor do que os novos.

A qualidade não é a mesma do material novo, tanto que o reciclado não pode ser utilizado em estrutura. Mas, tem outras finalidades, como o uso na base do empreendimento e no assentamento de tijolos.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]