i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Estagnação

Retomada da economia brasileira vai ficar para 2016

Cortes de gastos, aumento de tributos e juros altos vão impedir expansão do PIB superior a 0,5% em 2015. Para analistas, este será um ano de ajustes

  • PorRenan Araújo, especial para a Gazeta do Povo
  • 07/01/2015 21:14
Balança comercial do país fechou 2014 com o pior déficit desde 1998: prejuízo de US$ 3,9 bilhões | Jonathan Campos/ Gazeta do Povo
Balança comercial do país fechou 2014 com o pior déficit desde 1998: prejuízo de US$ 3,9 bilhões| Foto: Jonathan Campos/ Gazeta do Povo

Erros

Concepção equivocada da política econômica cobra seu preço agora, afirmam analistas

Segundo especialistas, diversos fatores contribuíram para o cenário atual de turbulências na economia. Para o professor de Economia da Universidade Nacional de Brasília (UnB), Flavio Augusto Basilio, a crise de confiança causada pela condução da política econômica e outros fatores políticos, como as eleições e denúncias de corrupção, reduziram a capacidade de investimentos. "Tivemos um setor externo com déficit maior que o normal, em boa parte sustentado pelas importações. Isso deve ter reduzido o nosso PIB em cerca de um ponto", completa João Basílio Pereima Neto, professor de Economia da UFPR.

Há quem também cite os prejuízos ao país pela perda de competitividade, somada aos atrasos na infraestrutura e à política econômica equivocada. "O governo estimulou a demanda em um momento que não precisava, o que fez a inflação subir e foi completado com a desaceleração do consumo. A curto prazo, as eleições, a seca e outros fatores potencializaram esses problemas", explica o economista-chefe do HSBC na América Latina, André Loes.

Conjuntura

Além disso, também contribuiu para o mau momento do Brasil a conjuntura econômica mundial. A estagnação no crescimento dos países europeus, emergentes e asiáticos, e a desaceleração da China, somada à redução do preço das commodities, são fatores que influenciaram negativamente o comércio exterior. A balança comercial brasileira fechou 2014 com um déficit de US$ 3,9 bilhões, o pior resultado desde 1998.

Commodities

Uma das semelhanças entre o momento atual e as crises nos anos de 1998 e 1999 é a queda dos preços das commodities. Na década de 1990, a desvalorização do petróleo fez com que o preço de outras mercadorias caísse e prejudicasse as contas externas. "Tivemos ajustes e conseguimos retomar o crescimento pelo ambiente externo, apoiados no aumento das commodities nos anos seguintes", recorda o economista-chefe do HSBC na América Latina, André Loes. Ainda que em menor intensidade, a queda no preço dessas mercadorias em 2014 também teve influência no baixo crescimento do ano.

O ano que se apresenta já é dado como perdido do ponto de vista econômico. Por mais que previsões feitas em janeiro embutam uma grande margem de erro, pouca gente no mercado aposta em um crescimento do PIB acima de 0,5% em 2015. Se tudo der certo, a retomada começa no segundo semestre e uma expansão mais forte deve vir mesmo só em 2016.

INFOGRÁFICO: Veja as previsões para a economia em 2015

Com a inflação alta, é bastante provável que os juros tenham de subir, o que desestimula a atividade. Além disso, cortes de gastos e aumentos de impostos que estão sendo anunciados pelos governos estaduais e federal terão um impacto negativo na economia brasileira. Embora sejam ações que abrirão espaço para um maior investimento privado, elas levam tempo para surtir efeito. Assim, o país deve atravessar no biênio 2014/2015 o pior cenário de crescimento desde os anos de 1998 e 1999.

Apesar da opinião unânime sobre a necessidade de mudanças, economistas sugerem soluções diferentes para que o PIB volte a crescer. A economista-chefe da XP Investimentos, Zeina Latif, acredita que o segredo para a queda da inflação e o retorno do crescimento das atividades do setor produtivo é a austeridade fiscal. "É preciso ter um aumento da carga tributária e um corte de gastos com uma estratégia clara para voltar a crescer", opina.

Por outro lado, o professor João Basílio Pereima Neto, chefe do Departamento de Economia da Universidade Federal do Paraná, critica a proposta de subir impostos, já que essa alternativa, segundo ele, prejudica o consumo e afasta o interesse de empresários em investir no país. A tendência de aumentar os juros para controlar a inflação também é vista com maus olhos. "A única solução é uma redução profunda nos gastos do governo. Isso deixa o Estado mais leve para reduzir a dívida pública e ter mais dinheiro para realizar investimentos."

Os especialistas também sugerem medidas como a depreciação do real frente ao dólar e a diminuição da taxa de juros a fim de estimular as exportações e alcançar uma balança comercial favorável.

Recomposição

O economista-chefe do HSBC na América Latina, André Loes, destaca a necessidade de um ajuste fiscal, com redução dos subsídios que congelaram as tarifas de gasolina e energia em 2014. Segundo ele, apesar de ter impacto direto no dia a dia dos brasileiros, o reajuste dos preços nessas áreas é necessário.

"O consumidor pode sofrer mais agora. Mas 2015 será ruim para que tenhamos boas ações no futuro. Se houver ajuste fiscal dá para esperar um bom crescimento em 2016." Segundo ele, ao retomar o crescimento, o país poderá pensar em medidas microeconômicas a médio prazo, como a reforma fiscal, que poderia ajudar o país a crescer perto de 3,5% ao ano.

Crise dos anos 90

Depois de 15 anos, Brasil terá novo biênio de baixo crescimento

O cenário atual de um biênio com estagnação do crescimento não era visto desde o final da década de 1990, quando o Brasil foi afetado pela conjuntura econômica mundial e o real passava por um processo de estabilização. Na época, o país passou por uma retração do PIB de 0,1% em 1998 e de elevação de apenas 0,3% em 1999. Nem mesmo a crise mundial de 2008 foi responsável por uma estagnação como aquela – em 2009, o país teve uma retração de 0,3%, mas cresceu 7,5% em 2010.

O primeiro fato que contribuiu para o cenário ruim no biênio 1998-99 foi a crise asiática. Em 1997, a Tailândia desvalorizou sua moeda local, o que causou altas dívidas e falência de grandes companhias, afetando países asiáticos e emergentes pelo mundo. Um ano depois, o problema foi na Rússia. O país enfrentava uma crise econômica desde o fim da União Soviética e, com dívidas de US$ 80 bilhões, acabou decretando moratória.

Cenário desfavorável

Na época, o Brasil sofria com alta taxa de juros, endividamento causado por empréstimos do Fundo Monetário Internacional (FMI) e dependência de capitais estrangeiros. Pressionado pelo mercado a desvalorizar o real, o governo FHC conduziu a mudança do regime cambial, implantando o câmbio flutuante. Apesar dos pontos negativos, a moeda ganhou estabilidade e permitiu um bom crescimento para os anos seguintes.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.