i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Mercado financeiro

Semana infernal das bolsas chega ao fim, mas...

... ninguém se arrisca a dizer se o fundo do poço foi atingido. Em Nova Iorque, as perdas dos últimos dias foram as piores em 112 anos

  • PorFolhapress
  • 10/10/2008 21:32
Trajetória do Ibovespa durante o dia |
Trajetória do Ibovespa durante o dia| Foto:
  • O dia das bolsas no mundo

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) acumulou 28,5% de desvalorização na semana que terminou ontem – a pior desde outubro de 97, quando a crise asiática abalava os mercados internacionais. Ontem, o pânico generalizado continuou dominando os mercados, e a Bolsa de Valores de Nova Iorque completou oito dias seguidos de perdas, fechando a semana mais catastrófica de seus 112 anos de existência. A queda fez o índice Dow Jones fechar o dia com perdas de 1,49%, e a semana, com queda de 18%.

No pregão de ontem, após a melhora sentida na última hora de operações, a Bovespa conseguiu encerrar com queda de 3,97%, bem menos intensa que a verificada no começo do dia. Em seu momento mais crítico, a bolsa paulista recuou 10,36%. Às 10h35, com as perdas rompendo o limite de baixa de 10%, foi acionado o "circuit breaker", sistema que interrompe o pregão e as negociações foram suspensas por 30 minutos.

Apesar da melhora durante o dia, em nenhum momento o índice Ibovespa, que reúne as 66 ações mais negociadas, conseguiu sair do vermelho. No fim do pregão, o índice registrava 35.609 pontos, o mais baixo nível desde setembro de 2006. No mês, a depreciação da bolsa está em 28,12%.

Os mercados na Ásia e na Europa tiveram os piores resultados – a Bolsa de Tóquio perdeu 9,62%; Londres caiu 8,85%. "A desconfiança e a irracionalidade continuaram a tomar conta dos mercados na semana. A segunda-feira já começou com a Bovespa acionando novamente o ‘circuit breaker’, com o mesmo ocorrendo hoje [ontem]. O consenso de que as ações estão baratas parece não ser suficiente e de fato existe falta de convicção do mercado, impossibilitando um movimento de alta", afirma o sócio-diretor da XP Investimentos, Rossano Oltramari.

De todos os papéis que formam o Ibovespa, apenas 2 escaparam da baixa na semana. A ação unit da ALL, que havia despencado 32,07% na semana passada, encerrou com alta de 3,2% nos últimos cinco dias. E as ações ordinárias da BM&F Bovespa subiram 2,06%. Apesar da alta semanal, os papéis da BM&F Bovespa estão entre os que mais perderam neste ano, com depreciação acumulada de 70%.

Já dentre as maiores desvalorizações do Ibovespa na semana ficaram os papéis B2W Varejo ON (resultante da fusão entre Americanas.com e Submarino), com queda de 42,05%, Nossa Caixa ON (40,05%) e Aracruz PNB (-38,76%).

Destaque ruim

Com uma queda de 44,26% acumulada no ano, a Bovespa figura entre os mercados acionários que mais sofrem em 2008. Em dólares, a bolsa paulista registra depreciação de 56,85% no ano. Em Wall Street, epicentro da atual crise, a queda anual do índice Dow Jones está em 36,29%. Em Londres, a baixa acumulada no período é de 39%. E o índice Nikkei, de Tóquio, tem desvalorização de 45,9% em 2008.

Muito dependente das commodities – que têm se depreciado fortemente nas últimas semanas – e do capital externo – que tem abandonado as ações brasileiras –, a Bovespa não tem conseguido respirar nem mesmo com os bons fundamentos econômicos do país.

Com o barril de petróleo em baixa de 10,27% em Nova Iorque, cotado a US$ 77,70, as ações da Petrobras não tiveram fôlego para escapar de mais um dia de baixa. A ação PN da Petrobras, a mais negociada da bolsa, caiu 7,26%. No ano, já recuou 45,36%. O papel PNA da Vale, que caiu 9,57% no começo do pregão, conseguiu se recuperar e fechou com uma baixa de 1,01%.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.